Les Eaux de Mars (tradução)

Tom Jobim


As águas de março


Um passo, uma pedra, um caminho que caminha

Um resto de raíz, é um pouco solitário

É um caco de vidro, é a vida, o sol

É a morte, o sono, é uma armadilha entreaberta


Uma árvore milenar, um nó na madeira

É um cão que late, é um pássaro no ar

É um tronco que apodrece, é a neve que derrete

O mistério profundo, a promessa de vida


É o vento batendo no topo das colinas

É uma velha ruina, o vazio, o nada

É a chuva fazendo barulho, é a água que verte

Torrentes de alegria, são as águas de março


É o pé que avança, a passo firme, a passo lento

É a mão que se estende, é a pedra que se lança

É um buraco no chão, um caminho que caminha

Um resto de raíz, é um pouco solitário


É um pássaro no ar, um pássaro que surge

O jardim que se rega, uma fonte de água límpida

Um espinho, um prego, a febre subindo

É uma conta barata, é um pouco de nada mesmo


Um peixe, um gesto, como mercúrio

É tudo o que se espera, é tudo o que nos resta

É madeira, é um dia à beira do cais

Um álcool adulterado, o caminho mais curto


É o som de uma coruja, um corpo sonolento

O carro enferrujado, é a lama, é a lama


Um passo, uma ponte, um sapo que coacha

É uma barcaça que passa, é um belo horizonte

É a estação das chuvas, é o derretimento dos gelos

São as águas de março, a promessa de vida


Uma pedra, um galho, é José e é Tiago

Uma cobra que ataca, um entalhe no salto

Um passo, uma pedra, um caminho que caminha

Um resto de raíz, é um pouco solitário


É o inverno que se vai, o fim de uma estação

É a neve que derrete, são as águas de março

A promessa de vida, o mistério profundo

São as águas de março no fundo do seu coração


E pau, pedra e, E o Fim do Caminho

É um resto de toco, é um pouco sozinho

Um passo, uma pedra, um caminho que caminha

Um resto de raíz, é um pouco solitário

Les Eaux de Mars


Un pas, une pierre, un chemin qui chemine,

Un reste de racine, c'est un peu solitaire,

C'est un éclat de verre, c'est la vie, le soleil,

C'est la mort, le sommeil, c'est un piège entr'ouvert.


Un arbre millénaire, un noeud dans le bois,

C'est un chien qui aboie, c'est un oiseau dans l'air,

C'est un tronc qui pourrit, c'est la neige qui fond,

Le mystère profond, la promesse de vie.


C'est le souffle du vent au sommet des collines,

C'est une vieille ruine, le vide, le néant,

C'est la pluie qui jacasse, c'est l'averse qui verse

Des torrents d'allégresse, ce sont les eaux de mars.


C'est le pied qui avance, à pas sûr, à pas lent,

C'est la main qui se tend, c'est la pierre qu'on lance,

C'est un trou dans la terre, un chemin qui chemine,

Un reste de racine, c'est un peu solitaire.


C'est un oiseau dans l'air, un oiseau qui se pose,

Le jardin qu'on arrose, une source d'eau claire,

Une écharde, un clou, c'est la fièvre qui monte,

C'est un compte à bon compte, c'est un peu rien du tout.


Un poisson, un geste, comme du vif argent

C'est tout ce qu'on attend, c'est tout ce qui nous reste,

C'est du bois, c'est un jour le bout du quai,

Un alcool trafiqué, le chemin le plus court.


C'est le cri d'un hibou, un corps ensommeillé,

La voiture rouillée, c'est la boue, c'est la boue.


Un pas, un pont, un crapaud qui coasse,

C'est un chaland qui passe, c'est un bel horizon,

C'est la saison des pluies, c'est la fonte des glaces,

Ce sont les eaux de mars, la promesse de vie.


Une pierre, un bâton, c'est Joseph et c'est Jacques,

Un serpent qui attaque, une entaille au talon,

Un pas, une pierre, un chemin qui chemine,

Un reste de racine, c'est un peu solitaire.


C'est l'hiver qui s'efface, la fin d'une saison,

C'est la neige qui fond, ce sont les eaux de mars,

La promesse de vie, le mystère profond,

Ce sont les eaux de mars dans ton coeur tout au fond.


E pau, é pedra, é o fim do caminho

É um resto de toco, é um pouco sozinho...

Un pas, une pierre, un chemin qui chemine,

Un reste de racine, c'est un peu solitaire.

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

ÚLTIMAS

MIX DE MÚSICAS

ARTISTAS RELACIONADOS