• Vagalume
  • A-Z
  • Estilos
  • Top 100
  • Playlists
  • Rádio
  • Hot Spots
  • Notícias
  • Play
    PLAY

    Entonce, um dia destes
    Lhes conto a pura verdade
    Encontrei com a dita cuja
    Tal morte barbaridade
    A pressão subiu pra riba
    No coração da saudade

    Faltou-me a respiração
    Puxa que dificuldade
    Na estância grande da vida
    Lutei com a morte atrevida
    Que me ordenava a partida
    Pro campo da eternidade

    A las fresca, me vi mal
    Embora, eu tenha bravura
    É uma luta desigual
    Com a morte a peleia é dura
    A Mary pulou na briga
    E apelou pra tal de cura
    Me deu um tal valium 5
    E um chá de salsa pura

    Me deu mais cinco de novo
    A morte afrouxou o retovo
    Mas, quase o cantor do povo
    Se guasqueou pra sepultura

    Oiga-lhe, peleia braba
    Quase que levei um corte
    A Mary ligou o carro
    E pro doutor fui de transporte
    Seringou um pano em um relógio
    E apertou o meu braço forte
    Me disse, é 13 8
    Ganhaste a briga por sorte

    Mary, grande companheira
    Fátima, minha padroeira
    Foram bravas na trincheira
    E a vida venceu a morte

    E o que eu pensava na hora
    Quando a morte me queria
    Os filhos, já estão criados
    Mas, somente a maioria
    Ainda tem dois menores
    Um guri e uma guria
    A Liane com quatro aninhos
    De mim mais precisaria

    Dos meus filhos eu sou amigo
    Por isso, morte eu te digo
    Se eu me mandasse contigo
    Era baita a covardia

    Caramba, que coisa triste
    É morrer no fim do outono
    E um guasca ter que deixar
    Os filhos no abandono
    Bem diz o velho ditado
    "Que a morte é china sem dono"
    Se, guasqueou-se pro meu lado
    Quis me derrubar do trono

    Olha, povo que me ama
    Se eu não sou peixe de escama
    Ia com ela pra cama
    E dormia o último sono

    Xô mico, que dó da Mary
    Depois que tudo passou
    Abriu um grande sorriso
    E de alegria chorou
    Eu li o seu pensamento
    Mais tarde ela me falou
    Se na hora eu não chorei
    Porque bagéense eu sou

    Pra Mary eu vi quanto eu custo
    Macho, bonito, robusto
    A morte nos deu um susto
    Queria, mas, não levou

    Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção »

    Comente
    user 300 caracteres restantes. Enviar

    Todas as letras de Teixeirinha

    Publicidade
    Notícias
    Mais notícias »
    Hot Spot
    Top Músicas do Vagalume
    Top 100 »

    As informações deste site são postadas integralmente pelos usuários. É importante dizer que é possível que os dados estejam desatualizados ou incorretos, sendo assim, o Vagalume exime-se de qualquer responsabilidade sobre as informações publicadas.Caso haja interesse em remover ou alterar alguma informação, entre em contato conosco.


    É permitida somente a visualização no site das letras de músicas encontradas aqui, vedada sua reprodução através de quaisquer outros meios (Lei 9610/98).Todas as letras de músicas são propriedade dos seus respectivos autores e divulgadas somente para fins educacionais.All lyrics are property and copyright of their owners. All lyrics are provided for educational purposes only.