Quanta Saudade

Sulino e Marrueiro


Quanta saudade do tempo de peão
Eu cortava estradão gritando com a boiada
Montado a cavalo sem ter paradeiro
Com a minha roupa suja da poeira da estrada

Toda à tardinha eu armava o galpão
Deitava na rede, não dormia de saudade
Sempre pensando em quem me deixou
O meu velho amor me deixou sem piedade

Oi lai lairái lai lairái lá lairái lá lá lá
Oi lai lairái lai lairái lá lairái lá lá lá

Hoje eu estou velhinho, não sou mais boiadeiro
O triângulo mineiro foi o meu berço natal
Eu já fui de gosto também já fui feliz
A mulher que eu tanto quis só me faz eu recordar

Toda à tardinha eu armava o galpão
Deitava na rede, não dormia de saudade
Sempre pensando em quem me deixou
O meu velho amor me deixou sem piedade

("Eu já fui bão boiadeiro
Há muitos anos passado
Hoje eu estou velhinho
No meu rancho abandonado

Alembro com cumpanheiro
No meio do chapadão
Com mil e quinhentos boi
Ia dobrando o espigão

Repicando o meu berrante
Cortando aquele estradão
Hoje só resta a saudade
Dentro do meu coração

Sentado na porta do rancho
Ouvindo o gado berrando lá na estrada
E o grito dos cumpanheiro
Sumindo lá nas quebrada
De vez em quando eu repico o berrante
Aqui na minha velha morada")

Letra enviada por

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Sulino e Marrueiro no Vagalume.FM

MIX DE MÚSICAS

ARTISTAS RELACIONADOS