O Prisioneiro

Sulino e Marrueiro


Sou prisioneiro estou condenado
Matei a mulher que mais eu amava
Matei por ciĂșmes, talvez por loucura
Julgando que ela me enganava

Hoje na cela fria e escura
Vejo uma sombra em minha frente
É ela que vem me dizer em pranto:
- Juro por Deus que eu era inocente

Estas palavras me ferem a alma
Como se fossem espinhos
Matei, fui pra cela escura
E ela pro céu deixando um filhinho

Hoje meu mundo sĂŁo quatro paredes
Onde tristonho eu vivo a chorar
E a lembrança me vem na memória
De tudo em quanto eu fiz sem pensar

Nosso filhinho que foi minha culpa
Vive no mundo desamparado
Nas grades da cela vem me perguntar:
- Por que estais preso, paizinho adorado

Estas palavras me ferem a alma
Como se fossem espinhos
Perdoa, Senhor, o meu erro
E tenha piedade do meu filhinho

(Pedro Paulo Mariano – Santa Maria da Serra-SP)

Compositor: Teddy Vieira E NĂ­zio

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta mĂșsica

Ouça estaçÔes relacionadas a Sulino e Marrueiro no Vagalume.FM

MIX DE MÚSICAS

ARTISTAS RELACIONADOS