Consumo

Rincon Sapiência


Vai além
Vai
Dinheiro
Vai além
Vai além
Consumo
Vai além
Dinheiro
Vai além

Toda conquista é pouca o quem se tem já não vai bastar
Em toda rua, toda esquina um convite a gastar
Seja realidade séria mas banal fictícia
nas marcas se vendem matéria em seu preço a notícia
Gasto sola quando anda a caminhada
define a variação de calçados que vejo pela vitrine
Grana
Independente a direção do seu rumo
Conte com ela porque será necessário ao consumo
Condução
Pra quem não pode ter sua carreta
O poeta busca livros, o caderno a caneta
Praz crianças a despesa, leite, fralda, chupeta
Sofrimento a vaidade, calça, bute, bombeta.
"Shop cente" lotado
várias grife fatura
Mão de obra, crianças são explorada em Honduras
Pela presa do produto os moleque fissura
Um rifle em busca da grife a cruel aventura
Ruptura de um plano
No flagrante os "home"
Negativamente o capitalismo consome
Agredindo até mesmo a moral,
nem sem a causa do consumo
é conduzida por motivo da fome

Quem ao menos degusta, quer saber quanto custa
Escuta
Esse produto não é feito pra ti
Toda causa tem volta, mão armada revolta
Escuta
Eu só sossego se eu tiver falir.

Necessidade ou somente pelo prazer, pelo prazer
Grana, grana, pelo consumo
Necessidade ou somente pelo prazer, pelo prazer
Grana, grana, pelo consumo
Futilidade ou somente pra não sofre, pra não sofrer
Grana, grana pelo consumo
Futilidade ou somente pra não sofre, pra não sofrer
Grana, grana pelo consumo

Se tem dinheiro contado
Tem que ter muito preparo
Aceitações de consumo pela cidade eu encaro
Camelô, galeria no sebo eu me deparo
Nostalgia no faro, disco clássico raro
Responsa é responsa de vidas de um o monte a pagar
Juros
O preço é caro pela falha de um furo
Mundão, mundão. Posso até dizer que nosso
mas é tudo que ele oferece, eu posso, eu posso
Um passo em falso, um buraco fundo é o poço

SPC
Dívidas até o pescoço, sem dinheiro é osso
Bem pior "deveno"
Na doença consumista alguém lucro, vai "veno"
"Resu" capital, faz da rotina uma luta
Mulheres de bom caráter nas esquinas são putas
O homem de mau caráter quando entrega seu truta
Mostra como a grana pode afetar a conduta
O capitalismo é falho fácil de resumir,
mas se o sistema é esse, todos vão querer consumir
De forma desigual a renda vão distribuir
Ridícula política vai se auto destruir. Ah.

Quem ao menos degusta, quer saber quanto custa
Escuta
Esse produto não é feito pra ti
Toda causa tem volta, mão armada revolta
Escuta
Eu só sossego se eu tiver falir.

Necessidade ou somente pelo prazer, pelo prazer
Grana, grana, pelo consumo
Necessidade ou somente pelo prazer, pelo prazer
Grana, grana, pelo consumo
Futilidade ou somente pra não sofre, pra não sofrer
Grana, grana pelo consumo
Futilidade ou somente pra não sofre, pra não sofrer
Grana, grana pelo consumo.

(2x)
Ma, ma, malote de cem
Vai a
Vai além
Ma, ma, malote de cem
Vai a
Vai além

Letra enviada por 'Daniel Ferreira

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Rincon Sapiência no Vagalume.FM

ÚLTIMAS

MIX DE MÚSICAS

ARTISTAS RELACIONADOS