Alforje

Renato Teixeira


Quem inventou essa tristeza em que me roço
Essa solidão soberba onde me escracho
Esse salão de sinuca onde me gasto
Feito um capacho velho de pensão

Eu sou um homem calmo sertanejo
Escapo pela vida como posso
Mas me fizeram agir feito escravo
Que executa sons de outros homens

Trago no alforje as palavras
As palavras que não digo
Para soltá-las no dia da festa do povo
Como um revoar de pássaros

São sei se sou fogo que me acho
Ou se sou, quem sabe, a lenha onde me queimo
Mas sei para que lado estou do tacho
E nego tudo aos donos desse engenho

E mais não digo agora, pois não passo
Apenas de um cantor itinerante
Que puxa pela estrada poerenta
Seus sonhos amarrados num barbante

Trago no alforje as palavras
As palavras que não digo
Para soltá-las no dia da festa do povo
Como um revoar de pássaros

Trago no alforje as palavras
As palavras que não digo
Para soltá-las no dia da festa do povo
Como um revoar de pássaros

Como um revoar de pássaros
Num qualquer desses domingos

Letra enviada por Playlists do Vagalume

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Renato Teixeira no Vagalume.FM

ÚLTIMAS

MIX DE MÚSICAS

ARTISTAS RELACIONADOS