Rashid

Eu

Rashid


Preciso falar sério agora
Sério? Bora
E é mais comigo do que com quem tá lá fora
Há anos eu adio essa conversa
num é papo de "Primeira Diss"
É papo de quem mesmo
sem saber de onde começa de primeira diz
"Não seja covarde"
É clichê mas nunca é tarde
Boa parte da minha carreira eu tive medo de ser
Eu mesmo e ser pouco pro rap o que eu oferecer

Inseguro com as minhas rima
Uma vez me ridicularizaram
e aquilo enterrou minha autoestima
Do jeito à voz, era tudo ruim
Queria ser os outros
mas eu nunca fui ninguém além de mim (Vai vendo)

Minha briga era com o espelho, não aceitava
Aquilo que ali estava
Aliás, achava que o futuro que eu projetava
era bom demais
Grande demais pra embalagem que me comportava

E a timidez como balaclava, dom
Amava escrever
mas odiava ouvir meu próprio som
Pique o fragmentado, espera
Querendo ser reconhecido
mas nem eu sabia quem eu era

A Dani sabe das minhas crise
e eu não falo do disco (Não)
Ainda assim ela abraçou o risco
Admiro a forma que ela age
Visto que ela é ela mesma
coisa que até então eu não tinha coragem

Sinistro! Então quem era nas linha?
Se essas rima, esses disco
essas ideia são minha
Só que compondo era só eu me expondo à toa
Todo esse tempo esperando
a aprovação das pessoa, mano

Nunca tive depressão
eu não brinco com isso (Não brinco)
Essa doença é séria, tenha afinco com isso
Mas eu versus eu era ridículo
Botava fé no meu talento
mas duvidava de mim como veículo (Aí)

Até o lance dos palavrão que querendo ou não
Devia ter um medo inconsciente da rejeição
(Se pá)
Carai, quase bati a nave
Mas o rap que eu amo nunca foi grade
sempre foi chave

Liberdade e não agrado, nem acaso e nem atraso
A onda que não bate só no raso
Sem dom pra Shakespeare
trouxe a real como paragem
Mesmo que até os fã
ainda prefiram um personagem

Atrás de Canaã feito um hebreu
Quebrei a quarta parede e do outro lado era eu
Revendo o que essa saga inclui
Eu já quis ser outra pessoa
mas o fato é eu nunca fui

Só eu pisei meus passos
só eu chorei meu choro
Na base do tomara, sem cara, sem coro
E se vivi a bomba então é meu o estouro
Me agarrei a isso
como se tivesse quatro braços, igual Goro

Sem mal agouro, só meu agora
Um universo aqui dentro e um planeta lá fora
A gente se adapta, não no meu cenário
Essa é minha metamorfose de Kafka
só que ao contrário

Queria tanto ser alguém
que qualquer um tava valendo
Mas já era eu, mesmo não reconhecendo
Parece confuso? Agora imagine
Todo esse conflito na minha mente
e só eu e Deus sabendo

Por muitos anos eu achei que eu não bastaria
Que tudo aquilo que me fazia ser eu
meu diferencial
não acrescentaria nada às pessoas
A partir daí tentei ser tudo, menos eu
Corri tanto de mim, mas tanto
que só parei quando trombei de frente
com uma casca vazia
E notei que ali dentro cabia exatamente
cada vontade minha, cada memória

Vi que a casca era forte o suficiente
pra suportar as tempestades
que de vez em quando eu costumo atravessar
Até espaço para as minhas frustrações havia lá
Resolvi entrar
Eu sou a única pessoa que eu poderia ser

Quanta gente tem medo de ser si e só?
Quanta gente tem medo de ser si e só?
Quanta gente tem medo de ser si e só?
Quanta gente tem?

Letra enviada por

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Rashid no Vagalume.FM

ÚLTIMAS

ESTAÇÕES

ARTISTAS RELACIONADOS