Quarteto Coração de Potro

O Último Tirão

Quarteto Coração de Potro


Lacei um touro brazino
Num tordilho redomão
Que se arrastou corcoveando
Não pude "livrá" o tirão

Me fui longe, gineteando
Tirando algum sestro e balda
E o matreiro foi pra o campo
Com o meu laço a meia espalda

Lembrei dum amor que eu tinha
Indo um pra cada lado
Vi o laço que nos prendia
Na presilha, rebentado

Senti saudade da trança
Daqueles lindos cabelos
Que me traziam na cincha
Sem precisar de sinuelo

Já fui matreiro e sem doma
Rebentador de presilha
De não parar no rodeio
E nem formar com a tropilha

Mas a gente se costeia
Um dia froxa o garrão
Vem lamber o sal mais doce
Do cocho do coração

E se um dia eu for guasqueiro
Do couro desse brazino
Vou trançar um laço forte
Pra "arrematá" o meu destino

E se um dia eu for guasqueiro
Do couro desse brazino
Vou trançar um laço forte
Pra "arrematá" o meu destino

Quem sabe ela me perdoe
E faça eu virar de frente
E as braças do nosso amor
Nenhum tirão arrebente

Quem sabe ela me perdoe
E faça eu virar de frente
E as braças do nosso amor
Nenhum tirão arrebente

Quem sabe ela me perdoe
E faça eu virar de frente

Compositor: Rogério Villagran

Letra enviada por

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Quarteto Coração de Potro no Vagalume.FM

ESTAÇÕES