Quarteto Coração de Potro
Página inicial > Q > Quarteto Coração de Potro > O Texto das Reculutas

O Texto das Reculutas

Quarteto Coração de Potro


Meu galponeiro idioma reculatado nos fogões
Traz suor dos redomões e respingos de luzeiro
A rapidez dos matreiros e o restos de um bailecito
Toldado de céu bonito quincha maior dos pampeiros
Dos conselheiros de mate tive os poetas maiores
E os payadores melhores improvisando inconstâncias
Andei com eles distâncias de mil picadas que abri
Para o meu canto sorrir na evocação das estâncias
Quinchar mangueira empredrada destino do céu que tenho
Das tolderias que venho sobrou meu sangue torena
E a intimidade serena de arrocinar meus cavalos
Depois com gosto cantá-los rondando a noite morena
Por isso meu idioma tem braseiro nas rimas
E acorda o vento nas crinas na correria selvagem
Que um dia tornou-se imagem no olhar daquele que escuta
O teto das reculutas que eu arquivei nas paragens

Letra enviada por

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Quarteto Coração de Potro no Vagalume.FM

ESTAÇÕES