Quarteto Coração de Potro
Página inicial > Q > Quarteto Coração de Potro > Milonga de Campo a Laurindo Pedra

Milonga de Campo a Laurindo Pedra

Quarteto Coração de Potro


Quem conheceu nestes fundos
Um gaúcho de respeito
Conheceu laurindo pedra
Tal o seu nome, o seu jeito

Viveu qual pedra de campo
Encravado em seu lugar
Pele moura e face rude
Mas com cristais no olhar

Viveu a vida aos pouquinhos
Um dia de cada vez
Dividiu seu próprio tempo
Entre a calma e a solidez
Solidez de quem um dia escolheu viver sozinho
Na calma de quem entende
Que a vida aponta um caminho

Num rancho sombreado a velas
E copas de timbauva
Às vezes cruzava as tardes
Ouvindo a prosa da chuva

Soube porque ela chorava
Que um dia chorou também
Pois aprendeu o que é saudade
Pela partida de alguém

Tinha silêncios na alma
Entre murmúrios e preces
Neste seu mundo interior
Bem menor do que parece

Tal como pedra no tempo
Também confundiu-se a terra
Vivendo apenas por ela
Num ciclo que não se encerra

Há quem conte nos bolichos
Que ele perdeu-se na vida
Petrificado em silêncio
Depois do adeus da partida

Eu acredito em seus olhos
Que não parecem mentir
Dizendo que seu silêncio
Somente a alma há de ouvir

Bem como a pedra do nome
Sua vida foi muito dura
Talvez por isso que a estrada
Lhe apontou a desventura

Seus horizontes de campo
Não foram além da divisa
Pois cada um sabe a estrada
E dos rumos que precisa

E ali no mesmo ranchito
Sombreado, quieto e distante
Mateia laurindo pedra
Com o mesmo jeito de antes

Feliz, topou seu destino
Sem questionar os motivos
Pois aprendeu que viver
Não é somente estar vivo

Letra enviada por

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Quarteto Coração de Potro no Vagalume.FM

ESTAÇÕES