Quarteto Coração de Potro

Folcloreando

Quarteto Coração de Potro


Não venho de muito perto
E pra bem longe é que vou
Eu chego quando anoitece
Quando amanhece não estou

Quem tem lado é boi de canga
E alpargata é quem não tem
Às vez eu tenho de sobra
E volta e meia eu ando sem

Pras manhãs de lida e sol
Rodeio parado a grito
E pras tardes de garoa
Café preto e bolo frito

Folcoreando, folcloreando
Chacarereando pras moça
E tirando cósca de potro

Errei um pealo certeiro
Botei a culpa no laço
Depois d'uma noite bailando
Fazendo força no braço

Eu tenho um poncho de napa
E um par de bota de goma
Pra "domá" em dia de chuva
Porque potreiro não doma

Te trago minha saudade
Meu zóinho de coruja
E uma mala de garupa
Pesada de roupa suja

Quando eu morrer, façam fávoa
Não quero ninguém chorando
Pra que eu siga, tempo adentro
Folcloreando, flocloreando

Letra enviada por

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Quarteto Coração de Potro no Vagalume.FM

ESTAÇÕES