Página inicial > Hip Hop > P > Primavera Nacional > Ódio Caos e Guerra

Ódio Caos e Guerra

Primavera Nacional


[Átila]
Seu descaso é como um senso que foi la pedir
Nosso nome por extenso numa lápide, Rapidin
Falo o que penso e boy vai da piti
Peço tenso, não me peça
pra que eu me adapte nesse universo
Eu uni versos, fiz rimas lindas trocadilhos
Mas na quebra confesso os mano ainda troca tiros
Papo complexo, fico perplexo
Sem nexo meus mano vê o próprio reflexo
e puxa o gatilho

Parei pra refletir
Me estresso vendo repetir ódio caos e guerra
Eu não sou nômade
Mas confesso que tô numa de querer fugir da terra

Governo reforma ensino e assassina história
Sempre que falo de nômades meus mano nem entende
Reforma previdência e assassina "escória"
Sempre que o roubo da merda desconta da gente

Políticos brincam de "pega pega", da errado
vão brincando de batata quente entre partidos
Justiça brincando de cobra cega tá errado
e pra gente só resta "brincar" de morto vivo
não duvide que eles nos divida
E ainda por cima aumentem nossa dívida
e nosso custo de vida
Amigo, mas triste do que ver meus mano endividado
É olhar pro lado e ver meu povo todo dividido

É, tem vários mcs bolados
com letras lotadas de luta e ativismo
Mas ataca a irmã do lado com letra
que luta contra luta do feminismo
tá tudo errado. É um erro que já vem la do passado
E o erro dos mais bem intencionados
É querer salvar o mundo sem salvar o irmão do lado

Sofremos em intensidades diferentes
Estratégia do sistema pra quebrar nossa união
Pra luta o povo tem se dado diferente
Cada um no seu castelo cada um na sua função
Meu país é claro tem cidades diferente
Mas é dentro da mesma nação que tamo se afundando
Dividido em grupos, deixados de canto mano
Tipo as tecla preta no teclado branco do piano

Enquanto uns apanham outros apoiam
E outros apagam nossa ideologia
E já contaminaram nossa gente pobre
com aquele papo esnobe sobre meritocracia
A tela distrai, o mundo distroi
E outros distratam com ódio e cinismo
Me botaram pra correr com os pés amarrados
e sempre que eu acho errado vão dizer que é vitimismo

Nasceu branco e rico, a batalha já tá vencida
Enquanto o tom de escuridão da minha pele
determina e quantifica o quanto vou sofrer
por toda minha vida
Não me vem com esse papo de merecimento
que cê tem talento, que ce sabe que é pura patifaria
Você não teria nada, não faria nada
não seria nada se não fosse a grana da sua família

Cê só luta no face e distante
Sua conduta é enfeite de estante
Se você só luta no face e distante
A conduta não passa enfeite de estante

Vai pregar o Carpe diem, vai vai
pra quem carpe o dia inteiro
Quero ver tu ir pregar o Carpe diem parceiro
Pra quem trampa e carpe o dia inteiro

Meu povo povo
Firma pra ver se vive sem suporte
Grita pra vê se teu santo te acode
Lima pra vê se tua enxada da corte
Ri, mas pra ver se teu riso da sorte
Rima pra ver se teu rap te prove
Sinais de que seu governo te fode
Sinas de ter sobrenome de pobre
Nem aprender sobre nômade pode

Cômico, se não fosse trágico
mais trágico é ter que rir da minha própria tragédia
Cômo se o Brasil fosse mágico
O truque ir no facebook transformar tudo em comédia

E quem tá preso nas postagem
não tá pronto pro combate
Gado preso na pastagem é só cabeça pro abate
Em jogo de quebra cabeça, xeque mate não interessa
Martelo em cima da mesa
porque eu vou pregar uma peça

Peçam que eu trampe
Mas não peçam que eu vote
nessa réplica brasileira de Trump
Peçam que eu cante
Mas não peçam que eu esqueça
que meu povo nada em banheira de sangue

[Ngo]
E nesse jogo o juiz não apita pa nóis
Só bate martelo pa nóis
Somos o povo com essência de é nóis
E Ceis continuam devendo pa nóis

Já disse qual é nosso ofício
Só não disse que também é nosso ócio
Sou preto capiche, não me vêem como sócio
Lei Áurea não passou de negócios

Nóis não é tira dentes
nóis tira a cabeça já que o problema deles é mental
E os burguês querem a nossa cabeça
a filha deles prefere a do meu

Sempre quiseram calar nosso canto
Nosso santo, nossa capoeira
Varrendo nosso história pra debaixo do tapete
junto com a poeira

Apropriação, um dia serão reféns da própria ação
Assim como morrem por suas próprias armas
Os menor tão de fuzil na mão

Nóis precisa ter 4 emprego por aqui
Acordar 4 da manhã por aqui
Querem nossas preta de 4 por aqui
E nóis sonhando em ser rico? Jay-z

Doença do mundo peste européia
Político matam mais que gangues
White only, seu bebedouro sempre jorrou sangue

Governantes deveriam ser pais de uma pátria amada
Não passam de padrastos que estupram enteada

Assim como fizeram com nossa avó em senzala
Soltaram correntes mantiveram mentes escravas
Se não lucracem não haveriam droga nas quebrada
Se não lucracem não haveriam arma nas quebrada

Querem ser um de nois no baile Black
Jhony Walker, Dab
Boy sua caminhada é torta
reza pra não virar walking dead

Resistência zumbi
Em cada olhar do gueto
Geral do'ceis vira anti Cristo
Se descolam que Jesus é preto

Compositor: Átila Izac, Felipe NGO

Letra enviada por Atila Silva

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Primavera Nacional no Vagalume.FM

MIX DE MÚSICAS