La Bohême

Paulo Sérgio


O que vou recordar é do tempo que os jovens de hoje desconhecem
Montmartre de outrora, das salinhas de frente, era bem diferente
Invadiam janelas, as flores singelas dos ramos da rua
E pra mim que pintava, quando eu te pedia tu posavas nua

La Bohême, La bohême
Tempo a passar, tempo a correr
La Bohême, La bohême
Vida feliz, feliz viver

Sem dinheiro, sem nada, sonhávamos ambos com dias de glória
Recordo o teu corpo que me fez um pintor, ciumento de amor
E é como se vejo nós dois a trocar pelo pão numa tela
No inverno sombrio, quê importava o frio se a vida era bela?

La Bohême, La bohême
É ramos loucos, jovens demais
La Bohême, La bohême
Tudo é saudade, nada mais

Se o acaso me leva de volta a rever meu antigo endereço
As paredes e ruas da minha mocidade, eu não mais reconheço
Hoje nada mais resta: nem flores nem festa da nossa alegria
E Montmartre parece, quando a noite desce, tão triste e vazia

La Bohême, La bohême
Pintando a vida, o amor chegou
La Bohême, La bohême
Vida boêmia que acabou

Letra enviada por

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Paulo Sérgio no Vagalume.FM

MIX DE MÚSICAS

ARTISTAS RELACIONADOS