Feto E Desafeto

Padre Zezinho


Foi concebido numa noite de dezembro
E em fevereiro uma mulher chorou sentida
Por não amar aquele feto
Por não querer aquela vida

E por ser dona do seu corpo
Olhou pro ventre e disse: "Não!"
Mandou tirar aquele feto
E disse "Não!" pra religião

E por ser dona do seu corpo
Olhou pro ventre e disse: "Não!"
Mandou tirar aquele feto
E disse "Não!" pra religião

Todo mundo tem o direito de amar
Todo mundo tem o direito de se dar
Mas ninguém tem o direito de matar
De decidir quem vive e quem não vive

Todo mundo tem o direito de amar
Todo mundo tem o direito de se dar
Mas ninguém tem o direito de matar
De decidir quem vive e quem não vive

Feto não é bicho, feto vai ser gente
Ainda não é gente como nós
Mas não é foca, nem baleia, nem é zebra
Se perguntado, ele diria:
"Por favor, deixa eu nascer!"
Se perguntado, ele diria:
"Por favor, deixa eu nascer!"

Foi concebido e não criado
Foi concebido e descartado
Como um intruso indesejado
Não foi bem-vindo e não nasceu
Foi bem assim que aconteceu

Compositor: Pe. Zezinho, Scj

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Padre Zezinho no Vagalume.FM

MIX DE MÚSICAS

ARTISTAS RELACIONADOS