Celeiro

Oswaldo Montenegro

Leo e Bia: 1973


Um português de Lisboa viajava à toa e onde já se viu?
Remando numa canoa parou, gente boa, cá no Brasil

E viu pelo ar lindos saltos de um povo a pedir um gol
E viu as canções de Elis nas estrelas a se espalhar
De puro arrepio num doido navio do céu andar
Os tais lindos vícios e os versos Vinícius sentiu brilhar

E um louco poeta ufanista de vista conhece num bar
E viu Pixinguinha compor as canções que o vento não dá
E todos os loucos profetas da cabala tropical
Escrevem seus textos pretextos mais loucos pro carnaval

E viu a gaivota imitando Garrincha a driblar o mar
E viu o olhar de Cartola na bola da lua
As rosas não falam apenas exalam o que faltar
Pra que sobre um louco celeiro pro mundo quando acabar

E viu a gaivota imitando Garrincha a driblar o mar
E viu o olhar de Cartola na bola da lua
As rosas não falam apenas exalam o que faltar
Pra que sobre um louco celeiro pro mundo quando acabar

As rosas não falam apenas exalam o que faltar
Pra que sobre um louco celeiro pro mundo...

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Oswaldo Montenegro no Vagalume.FM

ÚLTIMAS

MIX DE MÚSICAS

ARTISTAS RELACIONADOS