Galpão

Os Serranos

Warner 30 Anos: Os Serranos


Galpão que em dia de inverno
É o abrigo rude e terno,da peonada ao pé do fogo
Galpão trincheira os ventos
Do tempo e seus elementos, lá fora fazendo o jogo

Galpão do peão que levanta
Na hora em que o galo canta, nas madrugadas alerta
Galpão que ao rumor de esporas
Traz para dentro as auroras do Rio Grande que desperta

Galpão de mínimos luxos
Que serve para os gaúchos, como altar de comunhão
Dando ungido de fumaça
Bebem na cuia que passa, a seiva da tradição

Galpão que é pátria mirim
Que eu levo dentro de mim, no mundo por onde eu ande
Galpão dos campos do fundo
Da imensidão deste mundo, és meu porque és do Rio Grande

Galpão que é pátria mirim
Que eu levo dentro de mim, no mundo por onde eu ande
Galpão dos campos do fundo
Da imensidão deste mundo, és meu porque és do Rio Grande

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Os Serranos no Vagalume.FM

MIX DE MÚSICAS

ARTISTAS RELACIONADOS