Embretados

Os Monarcas


De vez em quando uma saudade redomona
Relincha aflita no meu peito de campeiro
Daí então encilho o verso da cordeona
Desconsolado em meu refúgio povoeiro

Mateando só nesse entreveiro de estranhos
Eu me pergunto qual será a realidade
Se aquela vida de campanha foi um sonho
Ou se perdido ando sonhando na cidade

(Mas nessas horas doloridas de recuerdos
Eu me emborracho de cantigas e poesias
E nessas noites quando me sinto alpedo
Me vou bem cedo pro balcão das pulperias)

Pois como eu há tantos outros extraviados
Que se encontram no exílio de um galpão
Pra conspirar contra o destino instaurado
Bebendo acordes de cordeona e violão

E aqui estamos companheiros desgarrados
Desiludidos com a ganância das estâncias
Vivendo assim dessa maneira embretados
Num aramado intransponível de lembranças

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Os Monarcas no Vagalume.FM

MIX DE MÚSICAS

ARTISTAS RELACIONADOS