Página inicial > Progressivo > O > O Estandarte > Poeta marginal

Poeta marginal

O Estandarte

O Estandarte


E há quem venha dizer que sou vagabundo
Sim, sou senhor do meu rumo
Assumo meu viver

Ando sim noite afora
Durmo em praça a qualquer hora
Levanto e trago meu varal

Ando e bebo enquanto esbarro
Corro, seco meu cigarro
Que molhou no temporal

Sou poeta marginal
Se tu não entende isso
Tira o teu desdém barato
E volta pro teu compromisso

E do Ferreira eu tenho a praça
No Dragão encontro a massa
Que até pouco a mãe ninava

Sigo sem métrica alguma
Come, dorme, toma a tua!
Que amanhã eu faço nada
Eu faço nada

Compositor: Bruno Barros

Letra enviada por Danilo Carneiro Magalhães

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a O Estandarte no Vagalume.FM

MIX DE MÚSICAS