Bodoqueando

Noel Guarany


Duas tiras de borracha, resina de seringueira
Bem atados na forquilha do galho da pitangueira
A bolsa, cano de bota, donde sai a tiradeira
Velho bodoque crioulo da minha infância campeira



As marcas da tua forquilha são legendas de um passado
Em que vivi embodocado caçando tatu na toca
Derrubando sabiá choca, sangue-de-boi, canarinho
O que cruzasse meu caminho de São Luiz a Boçoroca

E te recordo saudoso ao relembrar-te bodoque
E quando ponho em retoque certas lembranças que tomo
Pedra enconchada no trono tenteando que algum pombaço
Descesse de um bodocaço das grimpas do cinamomo

Por isso, meu velho amigo, foste guardião de minha
infância
Me lembro com arrogância teu garbo no meu pescoço
Num deboche de índio moço no dia em que estava azedo
Largava àquele piazedo saraivadas de caroço

E quem diria bodoque, meu companheiro de antanho
Que agora deste tamanho conservo a devoção
De trazer-te bem à mão pendurado a preceito
Qual pica-pau sobre o peito no tronco do coração

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Noel Guarany no Vagalume.FM

MIX DE MÚSICAS

ARTISTAS RELACIONADOS