Estamos em setembro de 1976 em Dublin, na Irlanda, onde um jovem baterista de 14 anos coloca um anúncio no mural da escola atrás de músicos para montar uma banda. O baterista se chama Larry Mullen, e a banda que ele vai montar com o vocalista Bono, o guitarrista The Edge e o baixista Adam Clayton, vai se tornar uma das maiores de todos os tempos.

No começo, o U2 era uma banda ligada não só aos artistas clássicos como os Rolling Stones ou os Beatles, mas também nos novos sons que surgiam com a revolução do punk (os Ramones e Patti Smith em particular). Nos anos seguintes, eles foram desenvolvendo seu estilo próprio marcado pelo baixo pulsante de Adam e principalmente pela guitarra de The Edge, que diferia bastante do padrão "3 acordes" que dominava o período. Por cima disso tudo, havia Bono, não só dono de uma voz potente e de personalidade, mas também um cantor com carisma o suficiente para converter toda e qualquer plateia.

Desde então o grupo lançou vários discos, alguns clássicos, outros bons e alguns apenas razoáveis. Mas nunca lançaram um trabalho preguiçoso ou em que não acreditassem. O seu público, ciente disso, retribuiu com uma fidelidade raramente vista, tornando os quatro irlandeses algumas das pessoas mais bem sucedidas do mundo da música.

Seguindo a filosofia Homem-Aranha de que "grandes poderes trazem grandes responsabilidades", o grupo (Bono em particular) sempre viu a necessidade de usar de sua imensa popularidade para chamar a atenção para os grandes problemas do mundo. Se para muitos a atitude soa demagógica, nunca é demais lembrar que no caso deles os resultados são conquistados e que Bono, ao contrário de muitos popstars engajados, realmente sabe do que está falando, como a matéria de capa da Time de 2005 que o nomeou o Homem do Ano (ao lado de Bill e Melinda Gates) comprovou.

Nesse especial nós dissecamos os 12 discos de estúdio da banda. Do início politizado, passando pelas fases de fascínio pela América e Europa até chegarmos aos dias de hoje. O resultado está logo aí.

"Boy" - 20 de Outubro de 1980

A estreia da banda está impregnada pelos sons do fim dos anos 70. Apesar de passar longe do som lúgubre e soturno de seus contemporâneos de pós-punk, o disco tem o espírito da época em canções mais experimentais como "An Cat Dubh" ou "The Ocean". Mas a vocação da banda era mesmo a de fazer músicas mais diretas e de impacto imediato como "I Will Follow" ou "Out Of Control".

Mesmo que não tenha vendido muito quando saiu e que naquele momento ele soasse apenas como mais um lançamento de banda de pós-punk/new wave, foi com "Boy" que o U2 começou a criar a sua base de fiéis (principalmente nos Estados Unidos) que posteriormente os transformaria na maior banda do planeta.

Curiosidade 1: "A Day Without Me" foi escrita para Ian Curtis, o vocalista do Joy Division que há pouco havia se matado. Segundo consta, Bono foi até Tony Wilson, o dono da Factory, o selo da banda e disse que estava pronto para assumir o lugar de Curtis, o que mostra que a ambição (ou seria arrogância mesmo?) de Bono já estava lá desde o início.

Curiosidade 2: "Boy" foi lançado no Brasil praticamente ao mesmo tempo que lá fora, algo raríssimo na época, pelo selo Ariola. Mas encontrar uma cópia hoje em dia é tarefa árdua - e cara.

Confira a tracklist do disco:
U2
U2 Boy

1. "I Will Follow"
2. "Twilight"
3. "An Cat Dubh"
4. "Into The Heart"
5. "Out Of Control"
6. "Stories For Boys"
7. "The Ocean"
8. "A Day Without Me"
9. "Another Time, Another Place"
10. "The Electric Co."
11. "Shadows And Tall Trees"

________________________________________________________________________

"October" - 12 de Outubro de 1981

Fosse o U2 uma banda contemporânea, essa provavelmente seria a última vez em que ouviríamos falar deles. Afinal hoje em dia se um grupo não deslancha depois de dois discos, já era.
Apesar de ter deixado uma boa impressão, "Boy" não foi nenhum blockbuster e a expectativa pelo próximo disco era grande.

Do lado da banda as coisas estavam estranhas também. Toda banda, à exceção de Adam Clayton, abraçou o catolicismo carismático e passou a frequentar as reuniões de uma comunidade denominada Shalom Fellowship. Os encontros acabaram quando um dos líderes sugeriu que a banda deveria abandonar a música para satisfazer as vontades de Deus.

"October" é, de longe, o trabalho mais religioso da banda (vide "Gloria", "Fire" ou "Rejoice"), ou seja, não exatamente um tema capaz de vender muitos discos (isso foi anos antes dos padres cantores, claro). Para completar o quadro, todas as letras que Bono havia escrito estavam em uma maleta que foi roubada durante uma apresentação nos EUA. A situação forçou o vocalista a praticamente compor no momento da gravação.

Com tudo isso não dava pra esperar um grande trabalho e a banda é a primeira a reconhecer isso, já que desde então foram raras as vezes em que eles tocaram músicas de October em seus shows.

Confira a tracklist do disco:

U2
U2 October

1. "Gloria"
2. "I Fall Down"
3. "I Threw A Brick Through A Window"
4. "Rejoice"
5. "Fire"
6. "Tomorrow"
7. "October"
8. "With a Shout (Jerusalem)"
9. "Stranger In A Strange Land"
10. "Scarlet"
11. "Is That All?"

________________________________________________________________________

"War" - 28 de Fevereiro de 1983

Com o punk e mesmo o pós-punk já ficando distantes e a MTV tomada pelo pop sintético de Duran Duran e Culture Club, o momento para o U2 começar a sua "tomada do poder" começou a se desenhar.

Mas para isso era preciso um disco forte. E "War" cumpriu belamente o papel. Foi aqui que tudo que se insinuava nos discos anteriores tomou forma e foco: dos temas ora politizados, ora religiosos ao som, cada vez mais potente e direto.

De "War" saíram pelo menos três faixas que até hoje estão entre os pontos altos dos shows da banda sempre que são executadas. A mais famosa é o hino anti-belicista "Sunday Bloody Sunday", cuja letra faz alusão ao Domingo Sangrento, quando tropas britânicas mataram pelo menos 13 civis irlandeses que protestavam pacificamente por maior liberdade civil. As outras são "New Year's Day" (inspirada no movimento polonês Solidariedade) e "40", que por várias vezes encerrou os shows em um clima quase religioso.

"War" o disco vai além desses três sucessos. "Surrender" está entre as melhores músicas não conhecidas da banda, e outras como "Drowning Man" e "Like A Song" também não ficam atrás.

Confira a tracklist do disco:
U2
U2 War


1. "Sunday Bloody Sunday"
2. "Seconds"
3. "New Year's Day"
4. "Like A Song"
5. "Drowning Man"
6. "The Refugee"
7. "Two Hearts Beat As One"
8. "Red Light"
9. "Surrender"
10. "40"

________________________________________________________________________

"The Unforgettable Fire" - 01 de outubro de 1984

O álbum deu início a uma nova fase dentro do grupo. Nesses anos, tudo o que se nota é que a cada três lançamentos a banda se reinventa. Sendo assim, podemos chamar os três primeiros álbuns como os discos "irlandeses" e os três posteriores como os discos "americanos".

Após passarem meses e meses excursionando pela América, a banda começou a mergulhar em todo o universo e mítica do Novo Mundo. As novas músicas começaram a surgir e muitas tinham a América e seus personagens como temas. "Pride (In The Name Of Love)" e "MLK" falavam de Martin Luther King Jr., o líder pelos direitos civis dos negros, assassinado em 1968 e "Elvis Presley and America" é mais do que auto-explicativa.

"Unforgettable Fire" marcou a entrada da dupla Brian Eno e Daniel Lanois assumindo as cadeiras de produtores. Eno é um dos grandes gênios da música pop. No início dos anos 70 ele foi o responsável pelos teclados e efeitos eletrônicos nos dois primeiros álbuns do Roxy Music, antes de partir para uma carreira solo que inclui além trabalhos de pop de vanguarda (como os discos "Here comes the Warm Jets" e "Another Green World") a criação da música ambiental.

Eno se considera um "não músico" no sentido de trabalhar e valorizar mais as técnicas de gravação ou os timbres do que a técnica ou o domínio de algum instrumento musical convencional.

Era de se esperar que o encontro dele com uma banda bombástica como o U2, não fosse funcionar, mas curiosamente, o casamento foi perfeito. O que ele fez foi forçar a banda a se concentrar mais na música ao dizer que se essa fosse forte o bastante a mensagem seria passada.

Aos que curtem uma comparação vale notar que 20 anos mais tarde o Coldplay também chamou Eno para produzir seu quarto trabalho.

"Unforgettable Fire" foi o disco que de fato tornou Bono e cia. conhecidos. Não que o disco tenha pegado de cara. Na verdade é possível precisar com clareza a data em que eles viraram superstars: 13 de julho de 1985, a data do Live Aid, o festival em prol dos famintos na África que reuniu em dois concertos na Inglaterra e EUA boa parte das maiores estrelas do pop mundial.

O U2 subiu ao palco durante a tarde e cantou "Sunday Bloody Sunday" e a recente "Bad". Eles deveriam ter tocado mais uma, mas Bono levado pela emoção do momento alongou a última música por mais de 10 minutos, encaixando trechos de clássicos do rock (um hábito mantido até hoje) e descendo até o público. Se a princípio o resto da banda não gostou muito, no dia seguinte estava claro que ao lado de um espetáculo redentor do Queen o show do dia tinha sido o do U2.

E pensar que por pouco o Brasil poderia ter assistido à isso tudo de antemão. Para quem não sabe, a banda estava bastante cotada para ter se apresentado no primeiro Rock in Rio, mas as negociações não foram em frente.

Confira a tracklist do disco:

U2
U2 The Unforgettable Fire


1. "A Sort Of Homecoming"
2. "Pride (In The Name Of Love)"
3. "Wire"
4. "The Unforgettable Fire"
5. "Promenade"
6. "4th Of July"
7. "Bad"
8. "Indian Summer Sky"
9. "Elvis Presley and America"
10. "MLK"

________________________________________________________________________

"The Joshua Tree" - 09 de Março de 1987

Agora as coisas tinham mudado. De banda promissora o U2 se tornou prioridade. Com gravadora, empresários, promotores, imprensa e público ansiosos, a banda não poderia decepcionar. E eles não decepcionaram. "Joshua Tree" foi um sucesso gigantesco tanto artística quanto comercialmente, contabilizando mais de 10 milhões de cópias vendidas nos Estados Unidos, e quase o mesmo ao redor do planeta.

O fascínio com a América continua, mas dessa vez de forma mais crítica, especialmente em "Bullet The Blue Sky" que condenava as intervenções militares americanas em países como El Salvador. Bono também se mostrava solidário aos problemas de outras nações, "Mothers Of The Disappeared" falava sobre as mães dos mortos pelas ditaduras de Chile e Argentina e "Red Hill Mining Town" fazia alusão à greve dos mineiros britânicos de 1984.

Mas política à parte, o fato é que o disco sempre será lembrado por três canções: "Where The Streets Have No Name", cuja introdução até hoje arrepia, a gospel "I Still Haven't Found What I'm Looking For" e o romantismo climático de "With Or Without You". Foram estes hits que ajudaram a tornar a turnê do álbum a mais festejada de 1987, com direito a capa da Time e menção durante um show de Frank Sinatra, que pediu uma salva de palmas para a banda que estava na plateia.

Confira a tracklist do disco:

1. "Where The Streets Have No Name"
U2
U2 The Joshua Tree

2. "I Still Haven't Found What I'm Looking For"
3. "With Or Without You"
4. "Bullet The Blue Sky"
5. "Running To Stand Still"
6. "Red Hill Mining Town"
7. "In God's Country"
8. "Trip Through Your Wires"
9. "One Tree Hill"
10. "Exit"
11. "Mothers Of The Disappeared"

________________________________________________________________________

"Rattle and Hum" - 10 de Outubro de 1988

A turnê de "Joshua Tree", mais que uma série de shows, se tornou um evento, especialmente na América com shows em arenas e estádios sempre lotados.
Para sacramentar a posição da banda, surgiu a ideia de eternizar o momento em um filme a ser lançado nos cinemas.

Foi assim que o diretor Phil Joanou acompanhou a banda em visita a alguns lugares sagrados da história do rock, como os estúdios da Sun Records e a mansão onde viveu Elvis Presley. Foram filmadas ainda cenas da banda em estúdio, no palco e em um show gratuito no meio da rua.

O problema é que naquele ponto o público estava sofrendo uma verdadeira overdose de Bono e como acontece nesses casos a recepção foi no geral morna.

O filme rendeu por volta de 8 milhões de dólares (tendo custado 5 milhões), valor baixo mesmo para a época.
Já o disco saiu-se um pouco melhor. Tendo vendido por volta de 2 milhões e 500 mil cópias (que viraram 5 milhões por se tratar de um disco duplo).

Esse trazia versões ao vivo, covers de Bob Dylan e The Beatles, algumas sobras do disco anterior e canções inéditas. Entre essas a melhor era a soul music de "Angel Of Harlem" e a bela "All I Want Is You". A curiosidade é a pouco conhecida "Love Rescue Me", parceria entre a banda e Bob Dylan (foi Bono aliás o responsável por ter apresentado o veterano ao produtor Daniel Lanois. Juntos eles gravaram o disco "Oh Mercy", que revitalizou a carreira do cantor).

Confira a tracklist do disco:

U2
U2 Rattle and Hum
1. "Helter Skelter (cover)"
2. "Van Diemen's Land"
3. "Desire"
4. "Hawkmoon 269"
5. "All Along The Watchtower"
6. "I Still Haven't Found What I'm Looking For"
7. "Freedom For My People"
8. "Silver And Gold"
9. "Pride (In The Name Of Love)"
10. "Angel Of Harlem"
11. "Love Rescue Me"
12. "When Love Comes To Town"
13. "Heartland"
14. "God Part II"
15. "Bullet The Blue Sky"
16. "All I Want Is You"

________________________________________________________________________

"Achtung Baby" - 19 de Novembro de 1991

No dia 31 de dezembro de 1989 o U2 fez um show especial em Dublin. Foi um dos últimos espetáculos da curta turnê de promoção de "Rattle and Hum". Ao final do show Bono desejou a todos um feliz ano novo e disse que a banda iria dar um tempo para poder se reinventar para os anos 90.

A pausa era necessária, já que em 10 anos eles se tornaram a maior banda do planeta. Se por um lado eles tinham a adoração incontestável de milhares de fãs, por outro também conviviam com críticas da imprensa que se mostrava meio intolerante com os acessos de Bono e suas tentativas de conscientizar o planeta. Ao mesmo tempo, o mundo mudava vertiginosamente: a União Soviética, o Muro de Berlim e todo o comunismo do leste europeu caíram, assim como as ditaduras latino americanas. O futuro parecia promissor como nunca.

Foi nesse clima de euforia e incerteza que a banda se reuniu na Alemanha para começar a fazer seu primeiro disco na nova década. Assim como David Bowie já fizera nos anos 70, o U2 foi para Berlim e com Brian Eno e Lanois novamente no comando se botaram a trabalhar no que chamaremos de "a trilogia Europeia".

O U2 costuma compor de maneira similar a dos Rolling Stones, ou seja, o grupo vai improvisando uma levada e Bono vai cantarolando qualquer coisa em cima até que uma boa ideia surja e se torne uma canção.

O problema é que dessa vez, meses se passavam e nada parecia surgir. Bono e The Edge queriam levar o grupo para uma nova direção: a da música eletrônica e do rock alternativo, enquanto Adam e Larry Mullen preferiam fazer algo mais próximo do som que os consagrou. O impasse só foi resolvido no dia em que Daniel Lanois ouviu The Edge tocando algumas sequências de acordes. O produtor pediu para ele tocar apenas uma das partes. O resto da banda se juntou a ele e nascia assim aquela que para muitos é a melhor música da banda: "One".
Depois disso o clima melhorou e o trabalho conseguiu ser concluído.

Quando foi lançado o público obviamente ficou confuso. Bono agora era o "homem mosca" e trocava sua habitual sinceridade por um personagem irônico, arrogante e até meio antipático. O som também estava mudado com programações e baterias eletrônicas. Esse era definitivamente um disco diferente e ele precisava de tempo para ser digerido. Tanto que na época a crítica elogiou, mas sem exageros. Já os vídeos de "One", "Mysterious Ways" e "Even Better Than The Real Thing" atraíram toda uma nova geração de fãs.

Com o passar dos anos ficou claro que "Achtung Baby" talvez seja o mais corajoso disco já lançado por uma banda mega e por isso, para muitos especialistas ele também é o melhor trabalho do grupo.

"Achtung Baby" gerou uma das maiores turnês de todo o rock, a Zoo TV que varreu o planeta até 1993 (nada de Brasil, infelizmente) deixando milhões de fãs boquiabertos com o palco futurista e suas dezenas de telas de televisão que disparavam slogans e imagens ininterruptamente. Bono se mostrava um ótimo show man e sempre aprontava alguma brincadeira, de pedir pizza para toda a plateia até ligar diariamente para a Casa Branca atrás de George Bush pai.

Confira a tracklist do disco:

U2
U2 Achtung Baby
1. "Zoo Station"
2. "Even Better Than The Real Thing"
3. "One"
4. "Until the End of The World"
5. "Who's Gonna Ride Your Wild Horses"
6. "So Cruel"
7. "The Fly"
8. "Mysterious Ways"
9. "Tryin' To Throw Your Arms Around The World"
10. "Ultraviolet (Light My Way)"
11. "Acrobat"
12. "Love Is Blindness"

________________________________________________________________________

"Zooropa" - 05 de Julho de 1993

O disco mais experimental da banda, foi gravado entre os intervalos da Zoo TV. Se você busca hits fáceis de se cantar ou hinos épicos, esse é o último disco que você deve procurar.

"Zooropa" é eletrônico, claustrofóbico e tem até um pezinho no rock industrial. Exceções? Poucas, mas elas existem, especialmente em "Stay (Faraway, So Close)" e em "The Wanderer", um tecnocountry no qual a voz não é de Bono e sim do lendário Johnny Cash.

Confira a tracklist do disco:

1. "Zooropa"
U2
U2 Zooropa

2. "Babyface"
3. "Numb"
4. "Lemon"
5. "Stay (Faraway, So Close)"
6. "Daddy's Gonna Pay For Your Crashed Car"
7. "Some Days Are Better Than Others"
8. "The First Time"
9. "Dirty Day"
10. "The Wanderer"

________________________________________________________________________

"Pop" - 03 de Março de 1997

Após terem passado boa parte dos anos 90 em evidência, a banda achou por bem dar um tempo. Durante quatro anos pouco se viu ou ouviu sobre o grupo à exceção do disco dos Passengers, um projeto do U2 com Brian Eno que rendeu um disco de "trilha sonora para filmes imaginários" (de onde saiu o hit "Miss Sarajevo").

Pouco antes de "POP" sair, as notícias falavam de um disco radical com a banda mergulhando de cabeça na música tecno com um disco produzido pelo DJ Howie D.

Quando o clipe de "" saiu com os quatro travestidos de Village People a confusão foi ainda maior. Em 97 o disco enfim foi lançado, e, como talvez fosse de se esperar, recebido com certa frieza. Não que eles tenham feito um disco de tecno. Na verdade "POP" tinha muito do "velho U2" em faixas como "Gone", "Last Night On Earth" e "Please" (essa ainda melhor na versão regravada do single). Mas em um ano em que o Radiohead redefinia o rock moderno com "Ok Computer", "POP" soava como um trabalho peso pena.

O motivo para o relativo fracasso foi descoberto tempos depois, quando Larry Mullen disse que pela primeira vez eles tiveram que acelerar a gravação de um álbum para que ele estivesse nas lojas junto com o início da turnê.

Essa também não foi o sucesso todo que se esperava e o grupo se viu tocando em estádios com metade da lotação. Isso nos Estados Unidos, claro. Já que foi com essa tour que a banda finalmente veio para o Brasil. Foram três shows que quem viu não se esquece (especialmente os cariocas - que viram o Rio de Janeiro literalmente parar num caos de trânsito e engarrafamentos causado pro fãs desesperados para chegar ao show).

Confira a tracklist do disco:

U2
U2 Pop

1. "Discothèque"
2. "Do You Feel Loved"
3. "Gone"
4. "If God Will Send His Angels"
5. "If You Wear That Velvet Dress"
6. "Last Night On Earth"
7. "Miami"
8. "Mofo"
9. "Please"
10. "Staring At The Sun"
11. "The Playboy Mansion"
12. "Wake Up Dead Man"
________________________________________________________________________

"All That you Can Leave Behind" - 30 de Outubro de 2000

E assim mais uma década se passou. O U2 chegou no novo século com seu prestígio de maior banda do mundo um pouco abalado e sabia que teria de se reinventar novamente para sobreviver no novo século. O consenso foi que a ironia tinha ido longe demais e que o público sentia falta da sinceridade e entrega dos primeiros tempos.

A saída era óbvia: uma volta às raízes. Afinal todos ali sabiam que já tinham conquistado mais do que precisavam e sonhavam. Talvez fosse a hora de voltar a se divertir como nos velhos tempos, sem a obrigação de carregar nenhum grande fardo (isso no lado musical, já que a influência política de Bono só fez crescer nesse tempo). Até o velho produtor Steve Lillywhite foi chamado de volta após 17 anos.

"All That You Can Leave Behind" saiu no fim de 2000 com, em se tratando dos irlandeses, pouco alarde. Para evitar o constrangimento de tocar em estádios vazios, a turnê foi planejada para ocorrer em ginásios (nesse clima a banda entrava no palco ainda com as luzes acesas. O light show só começava depois da segunda música).

Os fãs por sua vez respiraram aliviados ao ouvirem "Beautiful Day" ou "Walk On", mas que fique claro que de princípio o sucesso do CD foi apenas razoável.

Tudo mudou depois do fatídico 11 de setembro de 2001. Aí, como que por milagre, o trabalho foi redescoberto pelos americanos, que naquele momento de pesar e tristeza, encontraram refúgio e esperança naquele disco que já tinha quase um ano. O resultado foi que novamente, o U2 voltou a ser uma banda de extrema relevância não só pelo seu passado, mas também pelo seu momento atual.

Confira a tracklist do disco:
U2
U2 All That You Can't Leave Behind


1. "Beautiful Day"
2. "Grace"
3. "In A Little While"
4. "Kite"
5. "Elevation"
6. "New York"
7. "Peace On Earth"
8. "Walk On"
9. "When I Look At The World"
10. "Wild Honey"
11. "Stuck In A Moment You Can't Get Out Of"

________________________________________________________________________

"How to Dismantle an Atomic Bomb" - 22 de Novembro de 2004

Mais quatro anos de espera e o U2 voltou com um disco simples, sem maiores novidades, mas também sem decepcionar. Ou seja, a sequência natural de "All that you can leave".

Entre os destaques desse bom trabalho estão "Vertigo" e seu riff ao mesmo tempo simples e poderoso, a bela "City Of Blinding Lights" e duas tocantes homenagens de Bono para sua família: "Sometimes You Can't Make It On Your Own" dedicada ao seu pai recém falecido e "Original Of The Species" para a sua filha.

Na turnê, o clima "de volta ao começo" ficava claro especialmente nos primeiros shows da excursão, com o grupo tocando faixas que há décadas não eram apresentadas ao vivo. No Brasil os shows rolaram em fevereiro de 2006.

Confira a tracklist do disco:

U2
U2 How to Dismantle an Atomic Bomb
1. "Vertigo"
2. "Miracle Drug"
3. "Sometimes You Can't Make It On Your Own"
4. "Love And Peace Or Else"
5. "City Of Blinding Lights"
6. "All Because Of You"
7. "A Man And A Woman"
8. "Crumbs From Your Table"
9. "One Step Closer"
10. "Original Of The Species"
11. "Yahweh"
12. "Fast Cars"

________________________________________________________________________

"No Line on the Horizon" - 27 de Fevereiro de 2009

O lançamento mais recente não parece fechar um ciclo como "War", "Rattle and Hum" ou "Pop". Na verdade, ele soa até como um disco mais experimental na linha de "Zooropa", o que talvez explique a relativa frieza com que foi recebido pelo público (a crítica num primeiro momento aprovou, mas agora também parece estar com ressalvas).

Ainda assim o U2 segue como um dos últimos sobreviventes do "antigo modelo" de artistas megafamosos e onipresentes. Isso explica o fato deles ainda lotarem estádios ao redor do planeta mesmo que o disco que esteja sendo promovido na turnê não seja um grande sucesso.

Já a confiança da banda no novo material é plena, a ponto deles emendarem cinco canções novas em seguida no início do show (algo que eles não faziam desde "Achtung Baby", quando abriam os shows com oito canções novas).

Se "No line..." marca um novo fim ou começo ainda é cedo pra dizer, mas há de se louvar uma banda que está indo para 30 anos de carreira discográfica e na posição deles com peito para lançar um trabalho tão difícil quanto esse.

Confira a tracklist do disco:
U2
U2 No Line On The Horizon


1. "No Line On The Horizon"
2. "Magnificent"
3. "Moment Of Surrender"
4. "Unknown Caller"
5. "I'll Go Crazy If I Don't Go Crazy Tonight"
6. "Get On Your Boots"
7. "Stand Up Comedy"
8. "Fez / Being Born"
9. "White As Snow"
10. "Breathe"
11. "Cedars Of Lebanon"

________________________________________________________________________

Outros Discos

Além do mini álbum ao vivo "Under a Blood Red Sky" e do disco dos "Passengers", o U2 lançou três coletâneas: "The Best of 1980-1990", "The Best of 1990-2000" e "U218 Singles".

Para os fãs de carteirinha a dica é para comprar as novas versões dos discos de carreira. Até o momento foram lançados seis deles: "Boy", "October" e "War" saíram, inclusive no Brasil em formato luxuoso com libreto de capa dura e um cd bônus com os lados b de singles e faixas inéditas. "Under a Blood Red Sky" agora traz um DVD com o show quase inteiro e "Joshua Tree" saiu lá fora nesse formato e também em versão luxuosa com dvd, livro e cartões postais (por aqui só saiu a versão simples). O mais recente relançamento é o de "Unforgettable Fire", que pode ser comprado em versão simples, dupla, ou de luxo novamente com um DVD e cartões postais.