Há 20 anos Raul Seixas nos deixou. Após uma carreira acidentada com grandes sucessos e períodos de ostracismo, um dos nossos artistas de maior aceitação popular (quem mais além de Roberto Carlos consegue agradar públicos tão distintos?) se despedia em um momento de recomeço e esperança após alguns anos complicados.

Se o artista se foi, a obra continuou e desde então ela nunca mais parou de tocar. Suas dezenas de sucessos continuam sendo cantadas em todos os cantos e por gente cada vez mais jovem. Para marcar os 20 anos sem Raul, preparamos um especial contando fatos de sua vida e selecionando suas canções mais marcantes.

Perdendo o Medo da Chuva

Raul Seixas
Raul Seixas Raulzito e os Panteras (Foto: Divulgação)
Nascido em 28 de junho de 1945 em Salvador, Raul Seixas desde cedo se interessou por rock. Suas "fontes" para se manter informado eram os funcionários do consulado americano que lhe mostravam os últimos sucessos de Gene Vincent, Chuck Berry, Little Richard e claro, Elvis Presley. Todos esses seriam os artistas mais queridos de Raul por toda a sua vida, e ele dedicaria alguns de seus discos às canções desses heróis.

A primeira banda "Os Relâmpagos do Rock" foi formada em 1962 e rendeu shows e aparições na televisão.

No ano seguinte, o grupo passa a se chamar The Panthers e a fama local começa a crescer. Logo eles gravariam um compacto que apesar de não ter sido lançado comercialmente tocou nas rádios de Salvador (o grande público só foi ouvir Nany muitos anos depois em um dos primeiros discos póstumos lançados do cantor).

Em 1965 Os Panteras já eram a banda de rock mais quente da Bahia. O grupo passa a dividir o palco (e também acompanhar), muitos dos grandes ídolos da Jovem-guarda. Nascia uma forte amizade com Jerry Adriani.

Jerry convidou os Panteras a acompanhá-lo em uma excursão pelo Norte do país e depois convenceu a turma a descer pro rio de Janeiro. Ali (e com uma ajuda de Roberto Carlos) conseguem contrato com a EMI e lançam o disco "Raulzito e os Panteras" que não acontece. Para se garantirem, continuam a acompanhar Jerry, até desistirem de vez do sonho. Todos voltam para Salvador e Raul retoma os estudos.

Confira as letras de Perdendo o Medo da Chuva:

· Raul Seixas: Menina de Amaralina

· Raul Seixas: Nany

· Raul Seixas: Você Ainda Pode Sonhar

Tente Outra Vez

Raul Seixas
Raul Seixas Raul Seixas - 1984 (Foto: Renato dos Anjos/Folha Imagem)
Óbvio que com tamanho talento não ia demorar muito para Raul novamente voltar à música. Em 1970 ele conhece um dos diretores da CBS (atual Sony/BMG) que o convida para trabalhar como produtor e compositor na gravadora.

Poucos sabem, mas alguns dos grandes sucessos populares do início da década de 70 como Doce, Doce Amor famosa com Jerry Adriani ou Ainda Queima A Esperança, em que Diana canta "meus parabéns agora e um feliz aniversário amor", foram compostos por "Raulzito", como ele então assinava.

Essa é a parte mais obscura da carreira do cantor. Na última edição da revista Rolling Stone, o pesquisador Marcelo Fróes conta que um CD com as cerca de 80 canções que Raul compôs para outros intérpretes estava até prensado quando em cima da hora a comercialização do disco foi vetada.

Mas nem só de sucessos populares foi feita essa parte da carreira de Raul Seixas.
Em 1971, aproveitando que o presidente da companhia estava viajando, Raulzito chamou seus amigos Sergio Sampaio, Miriam Batucada e Eddy Starr para juntos gravarem o "disco manifesto" Sociedade da Grã-Ordem Kavernista Apresenta Sessão das 10.

Um dos álbuns mais anárquicos e bizarros já lançados no país, esse disco merece ser conhecido por dar as primeiras amostras do que seria a carreira posterior de Raul e também por apresentar ao Brasil o trabalho de Sampaio, que ainda hoje é criminosamente ignorado.

Raul sempre curtiu criar lendas e mitos a seu respeito (como o encontro com John Lennon que nunca aconteceu) e disse que esse disco foi gravado ás escondidas e que tal ousadia lhe custou seu emprego na CBS.

Recentemente Eddy Starr (o único ainda vivo do quarteto) disse que tudo foi feito com a anuência da CBS e que Raul continuou na empresa por mais algum tempo.

De qualquer forma uma coisa é certa, em se tratando de Raul Seixas, as lendas costuma ser mais divertidas que os fatos.

Confira as letras de Tente Outra Vez:

· Diana: Ainda Queima A Esperança

· Jerry Adriani: Doce, Doce Amor

· Raul Seixas: Eu Vou Botar Pra Ferver

· Raul Seixas: Sessão Das Dez

Ouro (com nada) de Tolo

Raul Seixas
Raul Seixas Raul Seixas - 1985 (Foto: Silvio Ferreira/Folha Imagem)
Pra falar um clichê: existem males que vem para o bem. A saída da CBS fez com que Raul finalmente voltasse a considerar sua carreira artística. O incentivo de Sérgio Sampaio também ajudou nesse sentido. Raul então inscreve, e classifica, duas músicas para o Festival Internacional da Canção de 1972 e se torna conhecido depois de aparecer de jaqueta de couro e óculos escuros cantando o mix rock/baião de Let Me Sing, Let Me Sing.

A boa performance lhe garante um contrato com a Phillips/Polygram (hoje Universal), que na época contava com praticamente todo mundo que importava na música brasileira. Tão ou mais importante foi ele ter conhecido o hoje mega-famoso Paulo Coelho que logo se torna seu parceiro.

Antes de gravar sua estreia solo, porém Raul ainda fica uns tempos nos bastidores. Seu primeiro trabalho é gravar anonimamente uma série de clássicos do rock para ser lançado em um daqueles discos de cover que não trazem sequer o nome dos intérpretes na capa.

Os 24 Maiores Sucessos da Era do Rock saiu creditado a um tal "Grupo Generation" e seria relançado três anos depois com o devido crédito ao cantor e o acréscimo de palmas para dar a impressão de disco ao vivo.

A estreia mesmo acontece em 1973 com "Krig, ha Bandolo". Um dos grandes clássicos da música brasileira, o disco praticamente só tem sucessos. Mosca na Sopa, Metamorfose Ambulante e o primeiro grande sucesso Ouro de Tolo, estão no álbum.

Ao lado de Paulo Coelho, Raul passa a se entrar de cabeça no esoterismo, em especial nos trablahos do bruxo Aleyster Crowley. Os dois fazem a música Sociedade Alternativa e nos shows passam a distribuir gibis e panfletos a respeito da tal sociedade. Com o Brasil no auge do regime militar e da supressão das liberdades, é óbvio que o governo não gostou nada de ver alguém pregando o "faz o que tu queres pois é tudo da lei" e o "convidaram" a passar um tempinho no exterior.

Raul, Paulo e suas esposas, vão então para os Estados Unidos onde ficam por alguns poucos meses, enquanto por aqui, o novo disco estava pronto para ser lançado. Quando ele saiu, uma das músicas estourou logo de cara. Com Gita tocando sem parar, Raulzito foi chamado de volta ao Brasil e pode seguir a carreira.

"Gita" é outro belo disco com vários sucessos e músicas queridas pelos fãs como Medo da Chuva e O Trem das Sete.

No ano seguinte sai o disco Novo Aeon, que apesar de não ter vendido tanto quanto o anterior é considerado um dos melhores de sua carreira (o próprio autor o considerava seu disco mais completo).

Em 1976 foi lançado seu último disco pela Phillips. "Há Dez mil Anos Atrás", fez sucesso com a faixa título.

A grande fase artística e comercial de Raul Seixas termina aí, junto com o fim da parceria com Paulo Coelho. No ano seguinte o cantor aceitou o convite do antigo diretor da Phillips André Midani e partiu para recém-criada WEA.

Confira as letras de Ouro (com nada) de Tolo:

· Raul Seixas: A Maçã

· Raul Seixas: Al Capone

· Raul Seixas: Eu Nasci Há Dez Mil Anos Atrás

· Raul Seixas: Gita

· Raul Seixas: Medo da Chuva

· Raul Seixas: O Trem das Sete

· Raul Seixas: Ouro De Tolo

· Raul Seixas: S.O.S

· Raul Seixas: Sociedade Alternativa

· Raul Seixas: Tente Outra Vez

Maluco Beleza

Raul Seixas
Raul Seixas Raul Seixas - 1977 (Foto: Ivan Cardoso/Divulgação)
Na nova gravadora Raul não consegue o mesmo sucesso dos anos anteriores. O primeiro disco pela WEA "O Dia em que a Terra Parou" ainda trouxe um dos grandes clássicos do seu repertório com Maluco Beleza mas no geral o disco foi recebido com frieza por crítica e pelo público em geral.

O ano de 1978 não foi fácil com um divórcio e o surgimento de uma pancreatite causada pelo uso abusivo de álcool. O disco desse ano, "Mata Virgem" mesmo com a volta de Paulo Coelho como parceiro em algumas músicas, não decolou e Raul foi se "exilar" na Bahia, ao lado de seus pais.

Em 1979 sai "Por quem os sinos dobram", o último pela WEA e assim como os outros um disco pessimamente divulgado e pouco ouvido.

Confira as letras de Maluco Beleza:

· Raul Seixas: As Profecias

· Raul Seixas: Judas

· Raul Seixas: Maluco Beleza

· Raul Seixas: O Dia em que a Terra Parou

· Raul Seixas: O Segredo do Universo

· Raul Seixas: Sapato 36

Ê Anos 80

Raul Seixas
Raul Seixas Raul Seixas - 1984 (Foto: Renato dos Anjos/Folha Imagem)
A década começou boa para Raul, com uma nova esposa, Kika Seixas, e um contrato com a CBS. Como era praxe com o cantor, logo tudo ia azedar, mas por um momento tudo parecia bem.

"Abre-te Sésamo" era o disco que os fãs há muito aguardavam, com muito rock, bom humor e também lirismo, no que é talvez seu melhor trabalho depois dos anos dourados na Phillips.

Apesar de ter vendido discretamente, Abre-te Sésamo, mostrava que Raul não estava acabado e que com a devida divulgação e apoio ele ainda tinha força, graças especialmente aos seus fãs, dos mais fiéis que se conhece.

A fase tudo azul, infelizmente não durou muito e logo seu contrato foi rescindido (segundo o próprio depois que o diretor da gravadora sugeriu que ele fizesse uma música sobre "o assunto do momento", Lady Di).

A barra começou a pesar culminando com um show em Caieiras onde se apresentou tão bêbado que a plateia concluiu que aquele não era o "verdadeiro Raul". Resultado: delegacia e uma noite na cadeia já que ele não estava com seus documentos para comprovar sua identidade.

Os meses seguintes continuaram duros. Coma fama de irresponsável e maluco, nenhuma gravadora mais queria saber dele, o alcoolismo avançava e a saúde ia se deteriorando.
Em 1982 ele mostra que ainda está vivo ao fazer um show apoteótico para mais de 100 mil pessoas na praia do Gonzaga em Santos.
No ano seguinte Raul finalmente assina com o pequeno selo paulistano Eldorado e lança o bom disco homônimo. No mesmo ano aparece no especial da Globo "Plunct, Plact, Zum" e vira herói da criançada com a sua Carimbador Maluco. O que poucos notaram é a letra não falando nos preceitos do filósofo anarquista Pierre-Joseph Proudhon não tinha nada de inocente.

A montanha-russa de qualquer forma continuava. Em 1984 agora na Som livre, lançou o cult (ou seja, bem falado e pouco vendido) Metrô Linha 743,que teve a faixa Mamãe Eu Não Queria censurada.

Seguem-se mais períodos de dificuldades, internações e shows complicados.
Raul só lançaria outro disco em 1987 (agora pela Copacabana). Para a surpresa de muita gente, apesar de ter saído em péssima época, em plena ressaca do Plano Cruzado, Uah-Bap-Lu-Bap-Lah-Béin-Bum, vendeu muito bem, graças ao hit Cowboy fora da lei e mais uma vez o cantor estava na boca do povo.

No mesmo ano ele grava ao lado do Camisa de Vênus de Marcelo Nova a música Muita Estrela, Pouca Constelação, que está em "Duplo Sentido", o derradeiro trabalho do Camisa.
Em 1988 foi lançado o último disco solo do cantor, "A Pedra do Gênesis" que teve entre os seus sucessos Não Quero Mais Andar Na Contra-mão, uma versão de No No Song um antigo hit de Ringo Starr que curiosamente tinha sido proibida de entrar no álbum anterior.

Apesar do sucesso, Raul estava longe dos palcos desde 1985, muito por conta de sua saúde cada vez mais delicada. Ainda assim Marcelo Nova o convenceu a fazer uma participação em um de seus primeiros shows como solista. A recepeção do público foi emocionante. Essa apresentação deu origem a outras 50 e ao disco "A Panela do Diabo", lançado em 19 de agosto de 1989.

Dois dias depois os anos de alcoolismo e abusos cobraram o seu preço e Raul Seixas morreu enquanto dormia.

As cenas de comoção e histeria que se viram nos dias seguintes só surpreenderam aqueles que ignoravam a popularidade do cantor. Uma popularidade que desde então só fez crescer.

Confira as letras de Ê Anos 80:

· Raul Seixas: Aluga-se

· Raul Seixas: Capim Guiné

· Raul Seixas: Carimbador Maluco

· Raul Seixas: Cowboy Fora Da Lei

· Raul Seixas: Mamãe Eu Não Queria

· Raul Seixas: Metrô Linha 743

· Raul Seixas: Não Quero Mais Andar Na Contra-mão

· Raul Seixas: Pastor João E A Igreja Invisivel

· Raul Seixas: Rock Das Aranhas