Página inicial > Rap > N > Neurônio Sub-consciente > Sistema Carcerário

Sistema Carcerário

Neurônio Sub-consciente


Viver na detenção, tem que ser homem de aço
Ceis deve tá achando que isso é Ibope
Ibope é trabalhar. Eu encano, eu era loque

Voz no trânsito... julgado!
Lance o nome do réu ao hall dos culpados
Expedindo-se mandado de prisão, nada mais, cumpra-se

Ninguém é de ninguém, os monstro apetitoso
Onde o processo é lento e o barato é louco
Quando é necessário, levar no proceder
É lá que o filho chora, e a mãe não vê
A lei do papo reto, a verdade é a verdade
Onde os bandido conhece, a dor da saudade
De alguém que chocou, marcou na tua vida
E nem se quer colou, no dia da visita


Uns chamam de inferno, não desacredite
Outros diz até, que é faculdade pro crime
Malícia, solidão, angústia, veneno
Onde os maior dos maior, se moscar, fica pequeno
Oh Pai que Vida Louca! Foi a necessidade
Ajuda os irmãozinho que sonha com a liberdade
Um processo parado, cansou de esperar
Debatendo com a injustiça, não vai se recuperar
Por quem não quer voltar pra casa, tranca a cela, escureceu
A quebrada sente falta e os à favor não te esqueceu
Cadeia sei que é foda, já fiquei trancado
Vai desistir nessa altura, do campeonato?

De ser marginal alado pelo certo, consciente
Se errou? Ergue a cabeça! É daqui pra frente!
Dentro do sistema, rebelião, fudeu
Os agente se esqueceu, todos são filhos de Deus
Mete bala, espanca, tranca, só tua mãe vai sofrer
A família preocupada, o que pode te acontecer
Outro que vai morrer, o sistema não dá sossego
Tarado e *cabueta, entra no espeto

Tem que ser guerreiro, tem que ter instinto
O pilantra não tem vez, lá dentro é sem convívio
Só vim mandar um salve Aí louco, fica com Deus
A quebrada sente falta e os à favor não te esqueceu!

(Refrão)
Com ódio não tem paz
Sem paz, tem violência
O homem sem liberdade, vê que o crime não compensa
Rancor não vale a pena, adoece o coração
Paciência fi de Deus, não desacredita não!

Baldomero Cavalcante, paciência cadeião
Ciridião Durval, fé no coração
No momento eu no mundão, me acordei deprimido
Lembrei dos à favor, que tá na porra de um presídio
Meu povo é sofrido, trancado, esquecido
Os papel tudo parado, não é filho de rico
Que tem advogado bom, da melhor qualidade
Não importa o motivo, logo tá em liberdade
Não tem grana leva mofo, avisa o governador
Quem é esquecido lá, sai pior do que entrou
Paciência à favor, meu Senhor está contigo!
Mais que Deus, só outro dele, e outro dele é impossível

Ergue a cabeça, bandido, só a fé te ajuda
Como se recuperar, com alimentação injusta?
No poder fila da puta não se preocupa canalha
Sistema carcerário, a medicação é falha
A situação precária, só veneno, na moral
Lotação, temperatura, mil e quinhentos grau
Psicológico mau, os louco vai fazer o quê?
Esquecer os sentimentos, pra não enlouquecer

Antes de amanhecer, o caldeirão vai ferver
Esqueceu que ali tem ser humano, pô, igual você?
Dos irmão se esquecer? Jamais! Sou à favor
Atire a primeira pedra aí, quem nunca errou

(Refrão)
Com ódio não tem paz
Sem paz, tem violência
O homem sem liberdade, vê que o crime não compensa
Rancor não vale a pena, adoece o coração
Paciência, fi de Deus, não desacredita não!

Do Rap, tô no mundão, mando um abraço pra todos
Quem sobreviver ali, pra mim já é vitorioso
Falar daqui é fácil, né primo?
Olha pros mano, só ele que ta lá dentro
Sabe o que é que tá passando
Bota a cara Zé Fulano, você, não desacredita
Se os louco passar um rádio
Tem quem embace, sem preguiça
Danificou muita vida, amargou o gosto do fel
Paciência, fé em Deus, regional de São Miguel
Os garotão tá cruel, será que entrou por fama
Ou porque nasceu no estado onde a
Miséria toma conta?
De cada beco, viela, mãe chorando com saudade
Um filho foi no caixão, e o outro atrás das grade

A gente fica até tarde, brindando taça champanhe
Comemora, tira onda, e só quem sofre é nossa mãe
Barato é cobrado caro, endividado, sem emprego
O crime dá com as duas mãos, pra tomar daquele jeito
Reveja o seus conceito, matador a firma é forte
Lomba errada no mundão, lá dentro, vira pacote
Nem tente contar com a sorte
Que os menino é crânio louco
Língua de lagartixa, já sabe, o futuro é pouco

Acredito, tem chegado, um diálogo nunca é demais
Representa ante responsa, se organiza pela paz
Barato é cobrado caro, o crime, ficou pros loucos
Paz, justiça e liberdade, igualdade para todos

(Refrão)
Com ódio não tem paz
Sem paz, tem violência
O homem sem liberdade, vê que o crime não compensa
Rancor não vale a pena, adoece o coração
Paciência, fi de Deus, não desacredita não!

"Rapaz
Vários tentaram fugir, eu também quero
Mais de um a cem, a minha chance é zero
Eu vou dizer ao crime, nunca mais! "

Compositor: Neurônios Sub-Conscientes

Letra enviada por

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Neurônio Sub-consciente no Vagalume.FM

MIX DE MÚSICAS

ARTISTAS RELACIONADOS