The Raven (tradução)

Natalia Kills


The Raven


Once upon a meia-noite sombria, enquanto eu ponderava, fraco e cansado

ao longo de muitos um volume estranho e curioso da tradição esquecida

Quando eu balancei a cabeça, quase dormindo, de repente veio uma batida

A partir de alguém batendo suavemente, batendo na porta do meu quarto

"'É uma visita", eu murmurei, "está batendo a porta do meu quarto

Só isso e nada mais. "


Ah, que bem me lembro foi no frio dezembro

E cada morte brasa separado feito seu fantasma no chão

Ansiosamente desejei o dia de amanhã, em vão eu tinha procurado para emprestar

dos meus livros surcease de tristeza - tristeza pela Lenore perdida

Para a donzela que os anjos nome Lenore rara e radiante

Nameless aqui para sempre


E o sedoso sussurro incerto triste de cada cortina roxa

me emocionou - me cheio de terrores fantásticos nunca senti antes

Por isso que agora, eu ainda as batidas do meu coração, eu ia repetindo

"" É uma visita pedindo entrada na porta do meu quart

Uma visita tardia pede entrada em meus umbrais

Este é, e nada mais. "


No momento a minha alma ficou mais forte; hesitando então não mais

"Sir", disse eu, "ou senhora, realmente eu imploro seu perdão

Mas o fato é que eu estava dormindo, e tão gentilmente você veio bater

E então você veio levemente batendo, batendo na porta do meu quarto

Isso eu mal tinha certeza que eu ouvi você "- aqui

eu abri a porta larga

A escuridão lá, e nada mais


Profundamente nesse espreitar da escuridão, longo

ali fiquei pensando, temendo

Duvidando, sonhando sonhos não mortais jamais ousou sonhar antes

Mas o silêncio era inquebrável, ea quietude não deu nenhum sinal

E a única palavra que falei foi a palavra sussurrada, "Lenore"

Isso eu sussurrei, e um eco murmurou de volta a palavra "Lenore"

Apenas isso, e nada mais


Voltar para o volvendo, toda a minha alma em mim ardendo

Logo novamente, ouvi uma batida um pouco mais alto do que antes

"Certamente, " disse eu, "aquela bulha é na minha janela

Deixe-me ver, então, o que lá está, e este mistério explora

Deixe meu coração ser ainda um momento e este mistério explorar

'Tis o vento e nada mais. "


Abra aqui joguei o obturador, quando, com muitos paquerar e vibração

De lá saiu um corvo imponente dos dias santos de outrora

Não menos reverência ele fez

nem um minuto parou ou ficou ele

Mas, com semblante de senhor ou senhora, empoleirado em cima da minha porta da câmara

empoleirado em cima de um busto de Atena que há por sobre os meus umbrais

empoleirado, e sentou-se, e nada mais


E esta ave de ébano sedutora minha triste fantasia em sorrindo

Até o decoro grave e severo do rosto que usava

"Embora tua crista ser cortada e aparada, tu"

eu disse, "arte que nenhum covarde

corvo triste e chocante antiga errante da costa noite

Diga-me o teu nome senhorial é em terra plutoniano da Noite"

Disse o corvo, "Nunca mais. "


"Seja a palavra o nosso sinal de despedida, ave ou demônio"

Eu gritei, upstarting

"Vai-te de volta à tempestade e costa plutoniano da Noite!

Não deixe nenhuma nuvem negra como um sinal de que se encontram a tua alma falou!

Minha solidão me reste! Sair do busto acima da minha porta!

Tira teu bico do meu coração

e tome a tua forma da minha porta! "

Disse o corvo, "Nunca mais. "


E o corvo, na noite infinda, ainda está sentado, ainda está sentado

no busto de Atena apenas sobre os meus umbrais

E seus olhos têm toda a aparência de um demônio que sonha

E a luz do lampião 'er o streaming de lances

sua sombra no chão

E a minha alma dessa sombra que fica flutuando sobre o chão

será levantada - nunca mais!

The Raven


Once upon a midnight dreary, while I pondered, weak and weary,

Over many a quaint and curious volume of forgotten lore,

While I nodded, nearly napping, suddenly there came a tapping,

As of some one gently rapping, rapping at my chamber door.

"'Tis some visitor," I muttered, "tapping at my chamber door

Only this, and nothing more."


Ah, distinctly I remember it was in the bleak December,

And each separate dying ember wrought its ghost upon the floor.

Eagerly I wished the morrow; vainly I had sought to borrow

From my books surcease of sorrow - sorrow for the lost Lenore

For the rare and radiant maiden whom the angels name Lenore

Nameless here for evermore.


And the silken sad uncertain rustling of each purple curtain

Thrilled me - filled me with fantastic terrors never felt before;

So that now, I still the beating of my heart, I stood repeating,

"'Tis some visitor entreating entrance at my chamber door

Some late visitor entreating entrance at my chamber door;

This it is, and nothing more."


Presently my soul grew stronger; hesitating then no longer,

"Sir," said I, "or Madam, truly your forgiveness I implore;

But the fact is I was napping, and so gently you came rapping,

And so faintly you came tapping, tapping at my chamber door,

That I scarce was sure I heard you" - here

I opened wide the door;

Darkness there, and nothing more.


Deep into that darkness peering, long

I stood there wondering, fearing,

Doubting, dreaming dreams no mortals ever dared to dream before;

But the silence was unbroken, and the stillness gave no token,

And the only word there spoken was the whispered word, "Lenore!"

This I whispered, and an echo murmured back the word, "Lenore!"

Merely this, and nothing more.


Back into the chamber turning, all my soul within me burning,

Soon again I heard a tapping somewhat louder than before.

"Surely," said I, "surely that is something at my window lattice:

Let me see, then, what thereat is, and this mystery explore

Let my heart be still a moment and this mystery explore;

'Tis the wind and nothing more."


Open here I flung the shutter, when, with many a flirt and flutter,

In there stepped a stately raven of the saintly days of yore;

Not the least obeisance made he;

not a minute stopped or stayed he;

But, with mien of lord or lady, perched above my chamber door

Perched upon a bust of Pallas just above my chamber door

Perched, and sat, and nothing more.


Then this ebony bird beguiling my sad fancy into smiling,

By the grave and stern decorum of the countenance it wore.

"Though thy crest be shorn and shaven, thou,"

I said, "art sure no craven,

Ghastly grim and ancient raven wandering from the Nightly shore

Tell me what thy lordly name is on the Night's Plutonian shore!"

Quoth the Raven, "Nevermore."


"Be that word our sign in parting, bird or fiend,"

I shrieked, upstarting

"Get thee back into the tempest and the Night's Plutonian shore!

Leave no black plume as a token of that lie thy soul hath spoken!

Leave my loneliness unbroken! quit the bust above my door!

Take thy beak from out my heart,

and take thy form from off my door!"

Quoth the Raven, "Nevermore."


And the Raven, never flitting, still is sitting, still is sitting

On the pallid bust of Pallas just above my chamber door;

And his eyes have all the seeming of a demon's that is dreaming,

And the lamplight o'er him streaming throws

his shadow on the floor;

And my soul from out that shadow that lies floating on the floor

Shall be lifted - nevermore!

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

ÚLTIMAS

MIX DE MÚSICAS

ARTISTAS RELACIONADOS