• Vagalume
  • A-Z
  • Estilos
  • Top 100
  • Playlists
  • Rádio
  • Hot Spots
  • Notícias
  • Informações do Álbum Uma Senhora Opinião
    1. O Barquinho / Você
    2. Primavera
    3. Diz Que Fui Por Aí
    4. O Morro Não Tem Vez /Feio Não É Bonito
    5. Funeral De Um Lavrador
    6. Missa Agrária /Carcará
    7. Opinião
    8. João E Maria
    9. A Estrada E O Violeiro
    10. Quando O Carnaval
    11. Traduzir-Se
    12. Nasci Para Bailar
    13. Nara
    14. A Banda

    x
    Ver discografia completa »
    Play
    PLAY

    Sou violeiro caminhando só, por uma estrada caminhando só
    Sou uma estrada procurando só levar o povo pra cidade só
    Parece um cordão sem ponta, pelo chão desenrolado
    Rasgando tudo que encontra, a terra de lado a lado
    Estrada de Sul a Norte, eu que passo, penso e peço
    Notícias de toda sorte, de dias que eu não alcanço
    De noites que eu desconheço, de amor, de vida e de morte
    Eu que já corri o mundo cavalgando a terra nua
    Tenho o peito mais profundo e a visão maior que a sua
    Muitas coisas tenho visto nos lugares onde eu passo
    Mas cantando agora insisto neste aviso que ora faço
    Não existe um só compasso pra contar o que eu assisto
    Trago comigo uma viola só, para dizer uma palavra só
    Para cantar o meu caminho só, porque sozinho vou à pé e pó
    Guarde sempre na lembrança que esta estrada não é sua
    Sua vista pouco alcança, mas a terra continua
    Segue em frente, violeiro, que eu lhe dou a garantia
    De que alguém passou primeiro na procura da alegria
    Pois quem anda noite e dia sempre encontra um companheiro
    Minha estrada, meu caminho, me responda de repente
    Se eu aqui não vou sozinho, quem vai lá na minha frente?
    Tanta gente, tão ligeira, que eu até perdi a conta
    Mas lhe afirmo, violeiro, fora a dor que a dor não conta
    Fora a morte quando encontra, vai na frente um povo inteiro
    Sou uma estrada procurando só levar o povo pra cidade só
    Se meu destino é ter um rumo só, choro em meu pranto é pau, é pedra, é pó
    Se esse rumo assim foi feito, sem aprumo e sem destino
    Saio fora desse leito, desafio e desafino
    Mudo a sorte do meu canto, mudo o Norte dessa estrada
    Em meu povo não há santo, não há força, não há forte
    Não há morte, não há nada que me faça sofrer tanto
    Vai, violeiro, me leva pra outro lugar
    Eu também quero um dia poder levar
    Toda gente que virá
    Caminhando, procurando
    Na certeza de encontrar

    Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção »

    Comente
    user 300 caracteres restantes. Enviar

    Todas as letras de Nara Leão

    Publicidade
    Notícias
    Mais notícias »
    Hot Spot
    Top Músicas do Vagalume
    Top 100 »

    As informações deste site são postadas integralmente pelos usuários. É importante dizer que é possível que os dados estejam desatualizados ou incorretos, sendo assim, o Vagalume exime-se de qualquer responsabilidade sobre as informações publicadas.Caso haja interesse em remover ou alterar alguma informação, entre em contato conosco.


    É permitida somente a visualização no site das letras de músicas encontradas aqui, vedada sua reprodução através de quaisquer outros meios (Lei 9610/98).Todas as letras de músicas são propriedade dos seus respectivos autores e divulgadas somente para fins educacionais.All lyrics are property and copyright of their owners. All lyrics are provided for educational purposes only.