• Vagalume
  • A-Z
  • Estilos
  • Top 100
  • Playlists
  • Rádio
  • Hot Spots
  • Notícias
  • Play
    PLAY

    Guardanapos de Papel

    Na minha cidade tem poetas, poetas,
    Que chegam sem tambores nem trombetas, trombetas,
    E sempre aparecem quando menos aguardados, guardados, guardados,
    Entre livros e sapatos, em baús empoeirados.
    Saem de recônditos lugares no ares, nos ares,
    Onde vivem com seus pares seus pares, seus pares,
    Seus pares e convivem com fantasmas multicores, de cores, de cores,
    Que te pintam as olheiras e te pedem que não chores
    Suas ilusões são repartidas partidas, partidas,
    Entre mortos e feridas, feridas, feridas,
    Mas resistem com palavras, confundidas, fundidas, fundidas,
    Ao seu triste passo lento pelas ruas e avenidas.

    Não desejam glorias nem medalhas, medalhas, medalhas,
    Se contentam com migalhas, migalhas
    Migalhas de canções e brincadeiras com seus versos dispersos, dispersos,
    Obcecados pela busca de tesouros submersos.
    Fazem quatrocentos mil projetos, projetos, projetos,
    Que jamais são alcançados cansados, cansados,
    Nada disso importa enquanto eles escrevem, escrevem, escrevem,
    O que sabem que não sabem e o que dizem que não devem.
    Andam pelas ruas os poetas, poetas, poetas,
    Como se fossem cometas, cometas, cometas,
    Num estranho céu de estrelas idiotas e outras, e outras,
    Cujo brilho sem barulho veste suas caldas tortas.

    Na minha cidade tem canetas, canetas, canetas,
    Esvaindo-se em milhares, milhares,
    Milhares de palavras retorcidas e confusas, confusas, confusas,
    Em delgados guardanapos, feito moscas inconclusas.
    Andam pelas ruas escrevendo e vendo, e vendo,
    Que eles vêm nos vão dizendo, dizendo,
    E sendo eles poetas de verdade enquanto espiam e piram, e piram,
    Não se cansam de falar do que eles juram que não viram.
    Olham para o céu esses poetas, poetas, poetas,
    Como se fossem lunetas, lunetas, lunáticas,
    Lançadas ao espaço e o mundo inteiro, inteiro, inteiro,
    Fossem vendo pra depois voltar pro Rio de Janeiro.

    Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção »

    Comente
    user 300 caracteres restantes. Enviar

    Todas as letras de Milton Nascimento

    Publicidade
    Notícias
    Mais notícias »
    Hot Spot
    Top Músicas do Vagalume
    Top 100 »

    As informações deste site são postadas integralmente pelos usuários. É importante dizer que é possível que os dados estejam desatualizados ou incorretos, sendo assim, o Vagalume exime-se de qualquer responsabilidade sobre as informações publicadas.Caso haja interesse em remover ou alterar alguma informação, entre em contato conosco.


    É permitida somente a visualização no site das letras de músicas encontradas aqui, vedada sua reprodução através de quaisquer outros meios (Lei 9610/98).Todas as letras de músicas são propriedade dos seus respectivos autores e divulgadas somente para fins educacionais.All lyrics are property and copyright of their owners. All lyrics are provided for educational purposes only.