Página inicial > M > Mhasa > O Astral Me Devia Um Favor

O Astral Me Devia Um Favor

Mhasa


Se é doendo que acostuma
Me chame de dormente
É verdade, não vaidade

Errei me chamando de burro
E se é errando que se aprende
Imagina minha genialidade

Originalidade
Evito reconhecimento
Coleção de semblantes

Versatilidade
Sei a hora de ir, também de voltar
Me tornei um bumerangue

Personalidade volátil
Como na química
Se é pra ir, eu vô lá tio
E não me responsabilizo pela nossa química

Encantamento conseguinte de ilusão
E a placa sempre acaba no meu pescoço
Encanamento, meu coração
E eu só viro cachorro quando o clima tá osso

Debate sobre poligamia
E a maior hipocrisia das pessoas
Debates me causam arritmia
Fico acelerado quando a hipocrisia soa

Sobre respeito
Não preciso debater
Basta apenas que não bata
Saiba que o conceito não é lazer
Espero que a verdade não te parta

Não deixe que isso parta
Mantenha sempre o que convém
Sem prejudicar o outro é claro
Do que adianta o bem estar
Se o outro não tá bem
Hoje em dia isso é raro

Tempo bom, vou além
Tempo ruim, vou também
Mais ainda, aí que as ideia vinga

Pra um é perda, pra outro é ganho
Mais do que com a ida
Preocupe-se com a vinda

Como de costume
Como de soer
E não tem nada
Que me impeça de sonhar

Como de praxe
A probabilidade é perder
E só eu mesmo
Me impeço de ganhar

Vamo lá
Me conte seus medos
E por que são segredos?
O meu medo é o espelho

Sem desanimar
Me conte seus segredos
E por que te dão medo
De quebrar o espelho?

Se olhar no espelho
E ver mais do que você
Enxergar uma pessoa
É bem mais do que só ver

Perecer pode ser
O que falta por aí
Parecer querer ser
É a falsidade por aí

Além de inveja
E oportunidade
Um só te faz mal
E o outro é vantagem

Ultraje da alma
Aumenta o vigor
Sem necessidade
Apenas pudor

To contando os dias
Pra fugir daqui
Mas já se passaram 3 anos
Que me encontro aqui

Qual caminho seguir
O bem, o mal, os 2 juntos
Tentar não é conseguir
Mas já ta de bom tamanho
Pra eu não me sentir fútil

Tempo bom, vou além
Tempo ruim, vou também
Mais ainda, aí que as ideia vinga

Pra um é perda, pra outro é ganho
Mais do que com a ida
Preocupe-se com a vinda

Como de costume
Como de soer
E não tem nada
Que me impeça de sonhar

Como de praxe
A probabilidade é perder
E só eu mesmo
Me impeço de ganhar

Compositor: Mhasa - Mário Andrades

Letra enviada por Mhasa

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Mhasa no Vagalume.FM

MIX DE MÚSICAS