La Venganza de Gaia (tradução)

Mago de Oz


A vingança de Gaia


Acordou encharcado de suor

E um frio interno o estremeceu

Se fez a luz e em sua cama, junto de si...

Viu esse mulher!!

Foi como aquele beijo que não deu

Aquele "Te Amo" que negou

Chegou a hora de acertar as contas e chorou


Você representará a todo esse horror

Que mata e adoece o planeta

Ao condenar-me

Mataste também seu perdão

Eu sou o ar, a brisa e o mar

E o Amazonas, que ferido...

Sangra pela sua ambição

E eu sou parte dele


Toda sua vida passou diante dele

Viu sua infancia, não se reconheceu

Sua inocência morreu pela sua ambição

Assassinou-a!


Todo mal que me faz, o faz a ti

Pois a Terra e seu lar

E ao igual que amar, também se castiga

A vingaça de Gaia terás


Apareceram em sua mansão

Um cervo ancião e um falcão

Um bosque queimado e um salgueiro chorão


Este é um julgamento e esse é o tribunal

Que vai condenar sua usura

O ozônio é o fiscal e uma baleia o juiz

Um rio contaminado em pé

Apresenta o júri

Formado pela justiça, o amor

E alguns peixes


Uma lontra procura seu amor e vê

Que acabaram de matá-lo

Morto a golpes sem motivo

Só queriam sua pele

E não entende porque, se eles também têm pele

Matam para ter outra

Tenta despertá-lo pois vai amanhecer

E ficaram para ver sair o sol


Vai pagar

E esse tribunal

Te condena a ser uma árvore

E quando tiver sede só para beber

Chuva ácida você terá


E a lontra chorou pois viu que seu amor

De novo tinha pele

E o sol despertou e correram a ver

Um novo amanhecer

E o mar sorriu!


Contam que depois de uma tempestade

O vento derrubou uma árvore

E seu tronco serviu de casa a um castor


creditos: comunidade Mago de Oz (orkut)

La Venganza de Gaia


Se despertó bañado en sudor

Y un frío interno, le estremeció

Se hizo la luz, y en su cama junto a él...

¡¡Vio a esa mujer!!

Fue como aquel beso que no dio

Como ese “Te Quiero” que negó

Llego la hora de echar cuentas y el lloró

Tu representaras a todo ese horror

Que enferma y mata el planeta

Al condenarme

Abortaste también tu perdón

Yo soy el aire, la brisa y el mar

Y el Amazonas que, herido...

Sangra por vuestra ambición

Yo soy parte de el


Toda su vida ante el desfiló

Vio su niñez, no se reconoció

Su inocencia murió por su ambición

¡¡La asesinó!!


Todo mal que me hagas, a ti te lo harás

Pues la Tierra es tu hogar

Y al igual que amar, también se castigar

La venganza de Gaia tendrás


Aparecieron en su mansión

Un ciervo anciano y un halcón,

Un bosque quemado y un sauce llorón


Esto un juicio y este el tribunal

Que ha de condenar tu usura

El ozono es el fiscal y una ballena el juez

Un río contaminado en pie

Hace pasar al jurado

Formado por la justicia, el amor

Y algún pez


Busca una nutria a su amor y ve

Que lo acaban de asesinar

Ha muerto a golpes de sin razón

Solo querían su piel

Y no entiende porqué, si ellos tienen piel

Matan por otra tener

Le intenta despertar, pues va a amanecer

Y han quedado en ver salir el sol


Has de pagar y este tribunal

Te condena a un árbol ser

Y cuando tengas sed, sólo de beber

Lluvia ácida tú tendrás

Y la nutria lloró, pues vió que su amor

De nuevo tenía piel

Y el sol se despertó y corrieron a ver

Un nuevo amanecer...

¡¡Y el mar sonrió!!

Cuentan que tras una tormenta ayer

El viento derribó a un árbol

Y que su tronco, de casa sirvió a un castor







Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

MIX DE MÚSICAS

ARTISTAS RELACIONADOS