Amadrinhador

Luiz Marenco

SUL


Quem pensa que em si se basta
não conhece o mandamento
Não hay tormenta sem vento e nem cambona sem alça
Uma guampa sem cachaça, cabelo negro sem flor
E nem tropilha machaça sem ter bom amansador

Se o potro baba a flexilha, da própria sorte se olvida
Como se embaixo mandinga viesse apertando as virilhas
Num transe de vida e morte, o bagual e o domador
Tem anjo da guarda e sorte nas mãos do amadrinhador

Assim com verso crioulo bebido em laje de sanga
Bem quando a flor da pitanga beija o remanso do arroio
Verte a água da parede denunciando um nascedor
Pra mim que nasci com sede, de lá mostrou um payador

Eu sigo a filosofia daquele andejo e errante
Que deixou impresso o semblante do canto na geografia
Viu a gruta dos assombros e o rastro do boi barroso
E nos trouxe sobre os ombros
versos que a bruxa escondia

Letra enviada por

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Luiz Marenco no Vagalume.FM

MIX DE MÚSICAS

ARTISTAS RELACIONADOS