Lenine
Página inicial > MPB > L > Lenine > Fotos

Fotos

Divulgação (3 FOTOS)

Enviadas por usuários (12 FOTOS)

ÚLTIMAS

ESTAÇÕES

ARTISTAS RELACIONADOS

Integrante da turma de roqueiros que tomavam as ruas da capital pernambucana nos anos 70 (de bandas como Ave Sangria e músicos como o guitarrista Robertinho do Recife), Lenine foi, assim como muitos de seus amigos, se interessando aos poucos pela MPB – em especial, aquela de cheia de sofisticação e energia, de Gilberto Gil e Milton Nascimento.

Em 1981, já morando no Rio de Janeiro, ele deu o primeiro passo de maior importância em sua carreira participando do festival MPB 81, da TV Globo, com a composição “Prova de Fogo”. No ano seguinte, lançou o seu primeiro LP, Baque Solto, gravado em parceria com o conterrâneo Lula Queiroga – mas infelizmente o disco não teve grande repercussão na época, apesar da força de músicas como a “Prova de Fogo” e “Trem Fantasma”.

Após uma participação também não muito bem-sucedida na banda de rock Xarada (que teve a música “Mal Necessário” incluída na trilha do filme Rock Estrela, de 1985), Lenine se retirou da mídia, só voltando em 1993, com o disco Olho de Peixe, dividido com o percussionista Marcos Suzano. Graças a esse álbum e ao fato de algumas músicas suas terem sido gravadas por Elba Ramalho (“Feitiço”), Margareth Menezes (“Nas Terras de Cabral”), Fernanda Abreu (“Jack Soul Brasileiro”), Badi Assad (“A Gandaia das Ondas”) e Sergio Mendes (“Maracatudo”), o cantor, violonista e compositor acabou se destacando em meados da década de 90 como uma das promessas da nova MPB e chegou enfim ao seu primeiro disco solo em 1997: O Dia em que Faremos Contato, no qual misturou música eletrônica, samba e ritmos nordestinos e com o qual conseguiu seu primeiro grande sucesso sozinho, “Hoje Eu Quero Sair Só”, embora músicas como “A Ponte”, “Balada do Cachorro Louco” e “Dois Olhos Negros” também tenham ficado bastante conhecidas por causa dos shows.

Dois anos depois, veio Na Pressão, disco em que ele repetiu o formato sonoro, apresentou músicas como “Paciência”, “Alzira e a Torre” e “Relampiano” (parceria com Paulinho Moska) e com o qual excursionou com sucesso pelo Brasil e exterior (especialmente Europa).

Em 2002, foi a vez de Falange Canibal, álbum em que Lenine recorreu a uma série de produtores e músicos, inclusive os integrantes do grupo americano de rock Living Colour. Músicas como “O Silêncio das Estrelas” e "Rosebud (o Verbo e a Verba)", parceria com o velho amigo Lula Queiroga, logo viraram sucessos.

Em 2004, apenas com o percussionista argentino Ramiro Musotto e a baixista cubana Yusa, Lenine gravou na Cité de La Musique, em Paris, o seu primeiro disco/DVD ao vivo, In Cité, em que cantou sucessos e também inéditas como "Do It".

Em 2005, ele lançou "Brésil, Brésils" (Brasil, Brasils), música que compôs, a convite, para o Ano do Brasil na França.


Fonte: site Sony BMG

Site oficial

www.lenine.com.br