Laura Pausini

Mi Dispiace (tradução)

Laura Pausini

Le Cose Che Vivi


Me Perdoa


Mamãe, eu sonhei que você batia à minha porta

E, um pouco confusa, retirou seus óculos

Mas, para me ver melhor, e pela primeira vez

Percebi que você sentiu que não somos iguais

E me abraçando se mostrou surpresa

Estar tão triste assim e sem ter paz

De tanto tempo que não a tinha abraçado

E em tal silêncio falei baixinho: me perdoa...

Mas bastou um só ruído para me acordar

Para me fazer chorar, para me fazer retornar

À minha infância, todos aqueles dias perdidos

Onde no verão o céu parecia mar

E eu com minha velha boneca ouvia

As fábulas que você contava baixinho

E onde entre seus braços eu adormecia

Sem saber o quanto era feliz...


Mas aos dezesseis anos eu, porém, mudei

Como eu era realmente agora eu me via

Eu me senti, por um momento, só e desesperada

Porque não era mais a filha que queria ser

E acabaram ali as nossas confidências

Aquelas conversinhas que eram de grande ajuda

Eu me escondi em uma fria impaciência

E você se arrependeu pelo filho que não teve

Então, eu passava todo o tempo fora de casa

Não suportava os seus sermões de jeito nenhum

E comecei a ficar também com ciúmes

Porque você era grandiosa, inatingível e tão bela!

Me presenteou, assim, em um sonho de passagem

Colocou meu coração, um mar, dentro de uma garrafa

E perdi a memória, me faltando coragem,

Porque me envergonhava de ser tua filha!


Mas você não bate à minha porta e, inutilmente,

Por um sonho que não posso realizar

Porque o encontrei repleto do meu nada

Porque o orgulho não me deixa perdoar

Mas se batesse à minha porta de verdade

Não me atreveria a dizer sequer uma palavra

Pois me falaria com o olhar um tanto severo

E eu me sentiria uma vez mais sozinha

Por isso te escrevi essa carta confusa

Para reencontrar, ao menos em mim, um pouco de paz

E não para pedir-te, tardiamente, desculpas,

Mas para poder dizer-te, mamãe... me perdoa!

Não é verdade que de ti eu me envergonho

E a minha alma, eu sinto, que a ti se assemelha

Esperarei pacientemente um outro sonho...

Quero-te bem, mamãe... escreva-me... tua filha

Mi Dispiace


Mamma ho sognato che bussavi alla mia porta

E un po' smarrita ti toglievi i tuoi occhiali

Ma per vedermi meglio e per la prima volta

Sentivo che sentivi che non siamo uguali

Ed abbracciandomi ti sei meravigliata

Che fossi così triste e non trovassi pace

Da quanto tempo non ti avevo più abbracciata

E in quel silenzio ho detto piano... mi dispiace!

Però è bastato quel rumore per svegliarmi

Per farmi piangere e per farmi ritornare

Alla mia infanzia a tutti quei perduti giorni

Dove d'estate il cielo diventava mare

Ed io con le mie vecchie bambole ascoltavo

Le fiabe che tu raccontavi a bassa voce

E quando tra le tue braccia io mi addormentavo

Senza sapere ancora di essere felice.


Ma a sedici anni io però sono cambiata

E com'ero veramente adesso mi vedevo

E mi senti ad un tratto sola e disperata

Perché non ero più la figlia che volevo

Ed è finita li la nostra confidenza

Quel piccolo parlare che era un grande aiuto

Io mi nascosi in una gelida impazienza

E tu avrai rimpianto il figlio che non hai avuto.

Ormai passavo tutto il tempo fuori casa

Non sopportavo le tue prediche per nulla

E incominciai a diventare anche gelosa

Perché eri grande irraggiungibile e più bella

Mi regalai così ad un sogno di passaggio

Buttai il mio cuore in mare dentro una bottiglia

E persi la memoria mancando di coraggio

Perché mi vergognavo di essere tua figlia!


Ma tu non bussi alla mia porta e inutilmente

Ho fatto un sogno che non posso realizzare

Perché ho il pensiero troppo pieno del mio niente

Perché l'orgoglio non mi vuole perdonare

Poi se bussassi alla mia porta per davvero

Non riuscirei nemmeno a dirti una parola

Mi parleresti col tuo sguardo un po' severo

Ed io mi sentirei un'altra volta sola.

Perciò ti ho scritto questa lettera confusa

Per ritrovare almeno in me un po' di pace

E non per chiederti tardivamente scusa

Ma per riuscire a dirti mamma... mi dispiace!

Non è più vero che di te io mi vergogno

E la mia anima lo sento ti assomiglia

Aspetterò pazientemente un altro sogno.

Ti voglio bene mamma... scrivimi... tua figlia


Compositor: Testo: G.dati / Musica : G.dati, G.orlandi

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

ESTAÇÕES

ARTISTAS RELACIONADOS