Cintura de Sapo

Jorge Guedes e Família


Este eco vem nos tempos
Nesta vaneira coiceira
Que veio não sei de onde
Por certo foi a primeira
E se perdeu campo a fora
Entonada que nem trincheira

Faço roncar a vaneira
E seu segredo relato
Entre missões e fronteira
De um xucro gaiteiro nato
Nasceu a vaneira grossa
Que nem cintura de sapo

É o rio grande do sul
Que berra e pede cruzada
Num turum bamba incendeia
Alegrando eternas noitadas
É o rio grande do sul
Que berra e pede cruzada

Vaneira de cantar verso
Em bolicho ou carreirada
Onde a gaita chamarisca
Parece que dá risada
Fanfarroneando, escramuça
No retoço da peonada

Estoura um surungo frouxo
E a indiada banhada em suor
Vão sapateando a vaneira
E o chinaredo ao redor
Pois com alegria no rancho
Seus sonhos ficam maior

É o rio grande do sul
Que berra e pede cruzada
Num turum bamba incendeia
Alegrando eternas noitadas
É o rio grande do sul
Que berra e pede cruzada

Sinto o mundo nos meus braços
E uma pampa sem fronteira
Até a lua olha pra baixo
Brilha os olhos da trigueira
Meu pago inteiro se embala
No compasso da vaneira

É o rio grande do sul
Que berra e pede cruzada
Num turum bamba incendeia
Alegrando eternas noitadas
É o rio grande do sul
Que berra e pede cruzada

Letra enviada por Playlists do Vagalume

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Jorge Guedes e Família no Vagalume.FM

MIX DE MÚSICAS