Página inicial > Blues > J > Jô Soares > Rabada Com Agrião

Rabada Com Agrião

Jô Soares


Não dá pra acreditar no que aconteceu
Comigo e com o Bira que é um amigo meu
Nós fomos convidados pra ouvir um som
Numa festa da pesada que era muito bom
Pra entrar você levava uma bebida qualquer
E na casa já estava sobrando mulher
No que diz respeito a alimentação
O jantar era rabada feita com agrião

Que rabada
Que roubada
Nem nas baladas de Sodoma e de Gomorra aconteceu algo igual
Que rabada
Que roubada
É bom não bobear e olhar pra trás ou vira estátua de sal

Era sábado a noite, eu tava de bobeira
O Bira também tá sempre afim de besteira
Por isso a gente foi correndo pro endereço
Que era pra pegar a zorra no começo
A gata que atendeu quando eu cheguei no lugar
Me disse num miado: "oi amor, pode entrar"
No tempo que se leva pra dar meia piscada
A gente já se achava no calor da rabada

Que rabada
Que roubada
Nem nas baladas de Sodoma e de Gomorra aconteceu algo igual
Que rabada
Que roubada
É bom não bobear e olhar pra trás ou vira estátua de sal

O som colaborava pra essa animação
A banda improvisando com empolgação
A roupa das moças era bem transada
Tinha mini-saia e tinha mini-sem nada
A turma já estava bastante chapada
Não me parece que era só da rabada
Porque tem uma coisa que eu achei bisonha
O cheiro do agrião era igual a maconha

Que rabada
Que roubada
Nem nas baladas de Sodoma e de Gomorra aconteceu algo igual
Que rabada
Que roubada
É bom não bobear e olhar pra trás ou vira estátua de sal

A noite prosseguia sem a farra parar
Parecia que a rabada num ia mais terminar
A bebida rolava de tudo que é jeito
Tinha whisky e cachaça que ninguém é perfeito
Não deu pra agradecer quem nos tinha chamado
Que o dono da casa já havia apagado
Foi quando no bar eu dei um flagra
No Alex preparando um coquetel de Viagra

Que rabada
Que roubada
Nem nas baladas de Sodoma e de Gomorra aconteceu algo igual
Que rabada
Que roubada
É bom não bobear e olhar pra trás ou vira estátua de sal

Só que de repente
Quando eu já pensava
Que nada desse mundo a orgia acabava
Vem saindo do quarto, já baratinada
A mulher do Bira totalmente pelada
Aquela visão me deixou assustado
Por que eu já sei como é o Bira zangado
Pra ainda piorar a situação
Nesse momento teve um apagão

Que rabada
Que roubada
Nem nas baladas de Sodoma e de Gomorra aconteceu algo igual
Que rabada
Que roubada
É bom não bobear e olhar pra trás ou vira estátua de sal

Mesmo sem roupa, esquecendo a cautela
A mulher do Bira pulou pela janela
Cego de ciúmes e na escuridão
O Bira deu um tiro com seu 3 oitão
A galera gritava, tropeçava e corria
Apesar de não saber o que que acontecia
No meio disso tudo informando a notícia
Uma bicha esganiçada berrou: "Polííícia!"

Que rabada
Que roubada
Nem nas baladas de Sodoma e de Gomorra aconteceu algo igual
Que rabada
Que roubada
É bom não bobear e olhar pra trás ou vira estátua de sal

Foi todo mundo em cana, não deu pra se mandar
Só a mulher do Bira conseguiu escapar
Tentei me esconder no buraco da escada
Mas fiquei ali preso com a bunda entalada
E pre se livrar do que ocorreu
O Bira ainda jurou que o 38 era meu
E desde esse dia eu taco um bofetão
Em quem me oferecer rabada com aquele agrião

Que rabada
Que roubada
Nem nas baladas de Sogoma e de Gomorra aconteceu algo igual
Que rabada
Que roubada
É bom não bobear e olhar pra trás ou vira estátua de sal

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Jô Soares no Vagalume.FM

MIX DE MÚSICAS

ARTISTAS RELACIONADOS