Página inicial > Pop/Rock > H > Hangar XVIII > Cidade Oculta

Cidade Oculta

Hangar XVIII

Cidade Oculta


Cidade oculta em noite de outono
Na boca um acre sabor
Num corpo claro e perfeito
Abandonei o meu frio
Molhei os meus olhos
Há sangue no espinho da rosa.

Certezas insanas em olhos vadios
Doçuras amargas presentes
Queimando na alma da gente
Em bocas vazias, molhadas
Abandonei o meu frio
Molhei os meus olhos
Há sangue no espinho da rosa.

Na noite o néon, a cerveja e a razão
No espinho da rosa encontrei emoção
No espinho da rosa encontrei alegria
No espaço o dia
A cidade vazia me traz solidão.

Compositor: Douglas Carneiro

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Hangar XVIII no Vagalume.FM

MIX DE MÚSICAS

ARTISTAS RELACIONADOS