• Vagalume
  • A-Z
  • Estilos
  • Top 100
  • Playlists
  • Rádio
  • Hot Spots
  • Notícias
  • Play
    PLAY

    Eu queria que você soubesse
    que pra mim não existe diferença de cor
    Tudo que ainda trago no peito engasgado sobre preconceito e "raça superior"
    Desde pequeno eu escutava calado as façanhas do mito ariano, opressor
    Homens na sala, meu tio depositando as armas na estante, me enchendo de pavor...
    As inocentes piadas infames de negros, judeus, muçulmanos, orientais, índios e latinos, como se não fossemos também genes misturados...
    como se não fossemos também discriminados
    Mesmo sem saber, mesmo sem querer nem querer saber
    mesmo inconscientemente vivendo numa redoma de ilusão
    me feria ver um mundo apartado em guetos
    Algo me dizia que eu não via futuro
    Favelas, distritos, conflito, o bairro dos ricos
    O ovo da serpente e a semente do mal
    Culto ao fascismo, fascínio do nazismo, Hitler, Stalin, Mussolini, Franco e Salazar, e todos os tiranos de todo lugar
    Fizeram a história aprendida na escola...
    E quase que passou em branco o Quilombo dos Palmares, saga de Zumbi,
    Aprendemos mais (a) Guerra do Paraguai
    Chacina, assassinato, nódoa que não sai,
    Enquanto isso Repórter Esso, Martin Luther King e o rei Classius Clay...
    Eu vi as lutas todas, round por round, nocaute por nocaute
    Muhammad Ali...
    Por aqui... era enrustido... hipocrisia pura - a lenda do povo cordial...
    Ainda bem que tudo mudou, (e) tinha que mudar
    Meu país - o último da fila da abolição, o primeiro da classe em miscigenação...
    Hoje eu consigo entender porque estrangeiros me fazem, sempre, estranhas perguntas: Where are you from? - Are you na Afghan? - Are you from Pakistan?
    E sinto na pele o que querem dizer...
    Deve ser a minha herança indígena no sangue, na cara, na pele vermelha
    dourada de sol, o sol do Brasil,
    onde as mulheres são lindas e tardam a envelhecer
    Eu preciso fazer um tributo a você,
    a todos os amigos de todas as cores
    que me quiserem bem, que me fizerem ser o que sou e desprezar a discriminação...
    Ídolos da minha mocidade foram, são e serão... Ray Charles, Chuck Berry, Little Richards, Otis Reding, Jimmy Hendrix, Bob Marley, Stevie Wonder, Marvin Gaye, Sly & the Family Stone, Kool and the Gang... e por aqui, também, Jorge Ben - ou melhor, Benjor, Milton, Tim Maia, Baden e Gil.

    Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção »

    Comente
    user 300 caracteres restantes. Enviar

    Todas as letras de Guilherme Arantes

    Publicidade
    Notícias
    Mais notícias »
    Hot Spot
    Top Músicas do Vagalume
    Top 100 »

    As informações deste site são postadas integralmente pelos usuários. É importante dizer que é possível que os dados estejam desatualizados ou incorretos, sendo assim, o Vagalume exime-se de qualquer responsabilidade sobre as informações publicadas.Caso haja interesse em remover ou alterar alguma informação, entre em contato conosco.


    É permitida somente a visualização no site das letras de músicas encontradas aqui, vedada sua reprodução através de quaisquer outros meios (Lei 9610/98).Todas as letras de músicas são propriedade dos seus respectivos autores e divulgadas somente para fins educacionais.All lyrics are property and copyright of their owners. All lyrics are provided for educational purposes only.