Página inicial > Rock > G > Gram > Doris Day

Doris Day

Gram


Introdução
A linha das mãos diz
Que o nome da mulher
É um outro nome de mulher
Que devia ser mãe
Que devia ganhar mais
Que o infeliz que a usou nunca viu

Olhe bem pra mim
O que não se vê é o meu melhor
É o meu ponto fraco

Sorte do ateu
Que endeusava uma anã
Quando arriscou teve fé e ela quis
E naquela noite teve dó
Jamais havia sentido dó
Pois bateu
Quando ela pediu

Olhe bem pra mim
O que não se vê é o meu melhor
É o meu ponto fraco

E o que sou?
O filho da mulher
O dó e a fé do ateu
O gozo falso pro infeliz
Que ganhava mais que a mulher

Tenho a vida em minhas mãos
Sou amado como Deus
Ganho um pouco mais que a minha mãe
E não quero mais que tenhas dó de mim

Se eu me tornar ateu
Se eu me tornar ateu
Eu nunca mais vou descobrir
Jamais vou descobrir o outro nome da mulher

Sou um masoquista anão
Desejado pelos pés
Devo ter a sorte do infeliz
E não quero mais que tenhas dó de mim

Letra enviada por renata solanas igual

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Gram no Vagalume.FM

ÚLTIMAS

MIX DE MÚSICAS

ARTISTAS RELACIONADOS