Página inicial > Rap > G > Garação do Rap > O Massacre Continua

O Massacre Continua

Garação do Rap


Meu dia começou como qualquer outro dia, acordei, olhei
pela janela na grande muralha vários vigia, são apenas
8 horas de um novo dia essa noite eu sonhei com o
Maracanã, como era lindo ver aquela Nação, torcendo,
apoiando o Flamengo, rumo á ser campeão, fazer o que
hoje minha vida é aqui, eu não aguento mais eu quero
saí, não, por aqui não tem Nação, não tem Maracanã,
mais uma manhã aqui dentro dessa cela, é, eu tô preso
teve rebelião e eu saí ileso, mais aqui dentro quantos
detento, queriam tá lá fora no movimento, na correria
do dia-a-dia com a arma em punho, pegá o opalão, socá
de som, desfilá pela favela fazendo barulho, os
camarada tá lá com a ?12?, com a ?Mac?, eles tão aqui
fumando crack, ouvindo 2Pac, minha manhã tá acabando ,
rezo á Deus todos os dias, que eu vou saí, é, já tá
chegando, já é meio dia hora de almoçar o rango é ?mó?
ruim eu não vou reclamar, não, eu não sou louco, os mega
vem aí e me enche de soco, eu não quero ficar 30 dias
na solitária, o lugar é muito sujo, é bem escuro, e
pensá que os meus parente tão pra lá desse muro, aqui
tem truta de tudo quanto é lugar e por várias tretas
feitas de forma errada, tem traficantes de armas e de
drogas, tem também a playboyzada que por pó jogaram
sua vida fora, o pior é quando vem estuprador para
nossa infelicidade, já tá lotado, não, aqui não cabe
quem mandou abusar da menor de idade, ou, de qualquer
outra mulher, caiu na minha mão aqui tu já era, tem
mano que foi pego assaltando cometendo 157 é o sonho
daqueles pivete, era sábado de madrugada, eles podiam
tá curtindo na balada, mais não preferiram assaltar a
loja da esquina, tinha tênis e roupa de gente fina, só
coisa chique artigo de grife, pega esse tênis Nike e se
não vim a tropa de choque, lá na favela bate rolo em
troca de malote, ó no que deu tão preso no Carandiru,
bem feito, queriam cometer o crime perfeito, outros
tavam roubando o mercado do morro, estavam
disfarçados, tipo máscara do zorro, uma grande parte
tava fumando, não, isso não é errado, perto do que
alguns fazem, eu tô falando dos deputado, dos homem do
senado, e também tem aqueles que andam fardado, desvio
de dinheiro da comunidade pobre lá da favela, compram
voto, na hora de fazer o que prometeram, eles
amarelam, são várias tretas, são muitas obras, mal
resolvidas, não terminadas, isso é muito pior do que
assalto à mão armada o que acontece todo mundo viu, ou
então ouviu, é que no Brasil o político é muito
religioso, a cada obra um terço no bolso, mias aqui
dentro, são 7.000 pessoas cada uma com o seu sonho, a
minoria pensa em coisa boa humm, e tudo isso em 9
pavilhões, são muitos ladrões, muitos bandidos, porque
quando eles chegar eu tô fudido, só Deus sabe o que vai
acontecer comigo, condição de vida não, só se for
sonhando, não tem havaiana, não tem Ipanema, ?E Daí?,
he, diz o sistema, meus parceiro de cela tão me
olhando, já entendi o carcereiro tá passando, e tá se
pagando, porque está armado e também fardado, não
quero nem olhar pro rosto desse safado, olho pela
janela, oh meu Deus o que tá acontecendo naquela cela,
e não é na rua 10, isso é normal, é só mais uma
manchete pro Jornal Nacional, todo dia tem um ou dois
se esfaqueando, hoje não, hoje é mais sério, tô
escutando a voz do além, tá me dizendo que a PM vem e
que refém vai ter também, Ubiratã ligou para Fleury
?sim ou não? perguntou se podia entrar ali, foi o sim
mais sangrento da história, aquilo tudo ainda não saiu
da minha memória, para PM isso foi uma vitória, foi um
dia de muitas glórias, humm, tem que tirar o chapéu,
aquelas fotos foram expostas como troféu, o pior é
que lá dentro tinha preso doente, os homem tavam de
pastor alemão, armado até os dente, morreu católico,
evangélico e também crente pro azar da gente a polícia
acha que manda aqui em ?Sampa?, mataram 111 em ritmo de
samba, metralharam aquele que já tinha se rendido, na
escada escorria sangue, no corredor corpos estendidos
mais tudo isso é culpa de Fleury que em ?92? no dia
?2? deixou os homem invadir, contar os corpos, isso
fica pra depois, antes tem que recarregar a 762 então
não se esquece que eu relatei esse massacre cantando
Rap, naquele dia eu queria tá na rua, fazer o que é o
que eu digo, O Massacre Continua...

Compositor: Mano Marcos

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Garação do Rap no Vagalume.FM

MIX DE MÚSICAS