• Vagalume
  • A-Z
  • Estilos
  • Top 100
  • Playlists
  • Rádio
  • Hot Spots
  • Notícias
  • Play
    PLAY

    Cara feia... pra mim é fome
    E cara alegre é a cara de quem come
    Cara feia... pra mim é fome
    E cara alegre é a cara de quem come

    É, não me distraí, não me distraí
    Me deixa aproveitar a sensação um pouco mais
    A sensação de esperança que invadiu o meu peito
    Não me envergonha com esse velho preconceito
    Não me atrapalha agora não, por favor
    Não me apavora com as notícias do terror
    O seu terror psicológico e as previsões sinistras dos seus mapas astrológicos
    Não vão fazer o papai aqui fazer pipi na cama
    Não sou do tipo que tem medo de sair da lama
    Nós não somos covardes
    E nunca é tarde pra cuidar de quem a gente ama
    A gente sabe se amar, a gente sabe se amar, a gente sabe da vida

    A gente sabe somar, e quer saborear a soma dividida
    A gente sabe se amar, a gente sabe se amar, a gente sabe da vida
    A gente sabe sonhar, e desse sonho a gente não duvida
    Cara feia... pra mim é fome
    E cara alegre é a cara de quem come
    Cara feia... pra mim é fome
    E cara alegre é a cara de quem come

    E quem não mata a fome, a fome mata
    Quem não mata a fome some; quem não mata a fome, a fome come
    (A fome não é só um nome)
    E tem também a outra fome, fora do abdômen
    Cara feia... eu vi na cara de um cara que matou um homem, por causa dessa outra fome
    Fome de vingança, vingança do destino
    E essa cara eu já vi na cara de um menino
    E os meninos assassinos vão se renovando
    E vão nascendo, vão morrendo e vão matando
    É que eles pensam que o crime é o único caminho
    Pra chegar em qualquer tipo de comando
    Mas se os meninos forem mais malandros
    Vão saber que ser trabalhador não é ser otário
    Um bom exemplo vem da nossa presidência
    Porque lá quem tá mandando é um operário

    Refrões

    Não faça cara feia de barriga cheia
    Não faça cara feia de barriga cheia
    Não faça cara feia de barriga cheia
    Nem meta a colher em cumbuca alheia
    Quem deixa um pé atrás
    Nunca chega na frente
    Quem tem medo do futuro
    Vira escravo do presente
    Não me enche com essa fome de derrota
    Nem me bota nesse time que defende o pessimismo
    Agora eu sei, cansei da linha burra que separa, desune
    E empurra todo mundo pro abismo
    O caminho é mais pro alto
    No mar e no sertão, na favela e no asfalto
    Todo mundo sente fome, fome de futuro
    Pra que pichar, se eu posso derrubar o muro?
    Não é com tanque, nem com trator
    Não é com ódio, nem com rancor
    Não é com medo, nem com terror
    Minha campanha também é paz e amor.

    Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção »

    Comente
    user 300 caracteres restantes. Enviar

    Todas as letras de Gabriel O Pensador

    Publicidade
    Notícias
    Mais notícias »
    Hot Spot
    Top Músicas do Vagalume
    Top 100 »

    As informações deste site são postadas integralmente pelos usuários. É importante dizer que é possível que os dados estejam desatualizados ou incorretos, sendo assim, o Vagalume exime-se de qualquer responsabilidade sobre as informações publicadas.Caso haja interesse em remover ou alterar alguma informação, entre em contato conosco.


    É permitida somente a visualização no site das letras de músicas encontradas aqui, vedada sua reprodução através de quaisquer outros meios (Lei 9610/98).Todas as letras de músicas são propriedade dos seus respectivos autores e divulgadas somente para fins educacionais.All lyrics are property and copyright of their owners. All lyrics are provided for educational purposes only.