• Vagalume
  • A-Z
  • Estilos
  • Top 100
  • Playlists
  • Rádio
  • Hot Spots
  • Notícias
  • Play
    PLAY

    Quando a voz escondida no vento resolve cantar
    Quando o verso embrulhado nas ondas aprende a dizer
    Quando a estrela cadente no céu faz clarão na cidade
    O poeta que vê, sob a luz já se prostra
    Tanta cruz, tanta desarmonia no mundo a gritar
    E o poeta com a luz recebida prepara o altar
    E no rito que bem aventura a palavra consola
    Tira o peso da cruz, solidão vai embora

    Toda vez que a divina palavra na voz tão humana
    Se traduz, se revela nos canto e bendiz
    Alinhado esse chão ao seu céu
    Faz bordado nas almas dos réus
    Põe caminhos nos pés
    dos que antes não tinham aonde ir
    Toda vez que o dourado do céu cai na prata da história
    E o mistério se deixa mostrar nos caminhos da voz
    Faz profeta, o poeta e cantor
    Da palavra faz gesto de amor
    E polvilha de luz o caminho pra quem nele for

    Toda vez que o profano recebe no ventre da alma
    A beleza da arte que em Deus tem raiz
    O divino nos desce do céu
    Sobre o mundo derrama o seu véu
    E a beleza redibe os caminhos nos põe noutra luz
    Quando a dor no secreto do mundo consegue falar
    Com tal coisa alojado nas sombras aprende a dizer
    Quando a morte nas dramas da vida
    nos rouba a palavra
    O artista que vê, pede a Deus a resposta

    E num misto de luz e penumbra se põe a buscar
    A resposta que nunca responde mas faz prosseguir
    E na arte que reza sem voz todo artista tempera
    A dureza do chão, com esperanças eternas
    Toda vez que a divina palavra na voz tão humana
    Se traduz, se revela nos cantos e bendiz

    Alinhado esse chão ao seu céu
    Faz bordados nas almas dos réus
    Põe caminho nos pés
    dos que antes não tinham aonde ir
    Toda vez que o dourado do céu cai na prata da história
    E o mistério se deixa mostrar nos caminhos da voz

    Faz profeta, o poeta e cantor
    Da palavra faz gesto de amor
    E polvilha de luz o caminho pra quem nele for
    Toda vez que o profano recebe no ventre da alma
    A beleza da arte que em Deus tem raiz
    O divino nos desce do céu
    Sobre o mundo derrama o seu véu
    E a beleza rendime os caminhos nos põe noutra luz

    Letra enviada por Playlists Do Vagalume
    Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção »

    Comente
    user 300 caracteres restantes. Enviar

    Todas as letras de Padre Fábio de Melo

    Publicidade
    Notícias
    Mais notícias »
    Hot Spot
    Top Músicas do Vagalume
    Top 100 »

    As informações deste site são postadas integralmente pelos usuários. É importante dizer que é possível que os dados estejam desatualizados ou incorretos, sendo assim, o Vagalume exime-se de qualquer responsabilidade sobre as informações publicadas.Caso haja interesse em remover ou alterar alguma informação, entre em contato conosco.


    É permitida somente a visualização no site das letras de músicas encontradas aqui, vedada sua reprodução através de quaisquer outros meios (Lei 9610/98).Todas as letras de músicas são propriedade dos seus respectivos autores e divulgadas somente para fins educacionais.All lyrics are property and copyright of their owners. All lyrics are provided for educational purposes only.