Página inicial > Metal > E > Eu Acuso! > Vigiar e Punir

Vigiar e Punir

Eu Acuso!

Síndrome de Estocolmo


Com o nome de crimes e delitos
Julgam-se paixões, dobram-se os instintos
Mascarando a realidade do desejo que é punido
Em prisões que ferem almas em castigo

Amputado, esquartejado, marcado no rosto
Em pedaços jaz o corpo desaparecido
Pervertido, inadequado, estorvo morto
Espetáculo macabro do culpado vivo

Engrenagens na máquina de morte
Nova ética, higiênica e discreta
Insuperável sensação de grotesca arte
A redenção do corpo que é promessa

A crueldade exige paciência
Consolando toda a dor
Uma fornalha onde acende e queima a violência
A punição quando certeira exige horror

Vigiar e punir
Lenta agonia
Adestrar, proibir
Longe das retinas
Vigiar e punir
Violenta rima
Alienar, coibir
Ilusão perdida

A cada passo do caminho, ideologia
O próprio ar que se respira, asfixia
Este corpo violado que transpira
O chumbo derretido das feridas

Vigiar e punir
Lenta agonia
Adestrar, proibir
Longe das retinas
Vigiar e punir
Violenta rima
Alienar, coibir
Ilusão perdida

Vigiar e punir
Longe das retinas
Vigiar e punir
Ilusão perdida
Vigiar e punir
Vigiar e punir

Letra enviada por Eu Acuso

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Eu Acuso! no Vagalume.FM

MIX DE MÚSICAS