Aprazado

Epilogue 92


Eu poderia dizer algo bonito
Me vestir com um longo e belo vestido
Ser uma pessoa comum e não um ultraje
Mais essa jamais seria minha realidade

Toda a dissimulação, já não encobre mais
Do que o ser humano é capaz
O bem e o mal não são uma escolha
São atos eu não posso julgar

Eu não sou ninguém pra dizer o que é certo
E você não é ninguém pra dizer o que faço
As lacunas de tempos e buracos perdidos

Sentimentos surreais e abismos
Ausência e egoismo são tão normais
Mais ninguém é capaz de ver mais

Eu poderia dizer algo bonito
Me vestir com um longo e belo vestido
Ser uma pessoa comum e não um ultraje
Mais essa jamais seria minha realidade

Toda a dissimulação, já não encobre mais
Do que o ser humano é capaz
O bem e o mal não são uma escolha
Eu não posso julgar seus atos

Eu não sou ninguém pra dizer o que é certo
E você não é ninguém pra dizer o que faço
As lacunas de tempos e buracos perdidos

Sentimentos surreais e abismos
Ausência e egoismo são tão normais
Mais ninguém é capaz de ver mais

Eu poderia dizer algo bonito
Me vestir com um longo e belo vestido
Ser uma pessoa comum e não um ultraje
Mais essa jamais seria minha realidade

Toda a dissimulação, já não encobre mais
Do que o ser humano é capaz
O bem e o mal não são uma escolha
São atos eu não posso julgar

Eu não sou ninguém pra dizer o que é certo
E você não é ninguém pra dizer o que faço
As lacunas de tempos e buracos perdidos

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Epilogue 92 no Vagalume.FM

MIX DE MÚSICAS

ARTISTAS RELACIONADOS