Página inicial > Hip Hop > E > Emicida > Vivendo Com a Morte

Vivendo Com a Morte

Emicida

Língua Franca


[Verso 1: Capicua]
Como é que eu vivo com a morte
Como é que eu convivo com a finitude
Como é que me pedem para ser forte
Quando ela não respeita nem a minha juventude
Não gosto do seu cheiro das flores meladas
Do choro das velas, das noites passadas em claro
É como um fumo em redor entranhado na roupa
cobrindo de dor
Caixa preta, pesada ampulheta, guilhotina
Ou meta é certa que não seja lenta
A minha, a de quem amo, a de quem não conheço
Água gelada que encharca por dentro
A precoce, a injusta, a escusada, cruel
Viver com a revolta, sem ter fé no céu
Como? Em perspectiva ou realidade somos
Conscientes da mortalidade
Como único animal, o único animal
Somos o único animal, consciente da mortalidade
Com é que eu vivo com a morte
Essa que acentua o nosso privilégio
Como é que eu vivo com essa sorte
E vou aproveitando o meu sortilégio
E quanto à morte do planeta
Como é que se vive com uma arma na cabeça?
É
E quanto à morte do planeta
Como é que se vive com uma arma na cabeça?

[Refrão: Rael]
Levando uma vida, flertando com a morte
Permanecer vivo é ter fé, não ter sorte
Eu sigo protegido pelos meus ancestrais
A morte o levou mas a história os faz eternos
Eu sigo protegido pelos meus ancestrais
A morte s levou mas a história os faz eternos

[Verso 2: Rael]
Saudade de ouvir você dizer: "Moleque! "
Na verdade demorei pra fazer um rap
Falando da lacuna que deixou
Do semblante vazio quando o caixão se fechou
A morte quando vem ela nem avisa
Carrega até quem ela nem precisa
Carente de atenção ela ate-rroriza
A mente, o coração, que nunca ci-catriza
Que nem Miaque, irmão do Mariano
Pro Time do Loko um baque
Até hoje se perguntando: "Mano, o que é aquilo? "
Que cena foi aquela
Moleque novo, tranquilo, deixou uma menina bela
Que falta faz Claudinho, Garguela
Parece que a morte gosta mais de preto e de favela, porra!
São sempre os mesmos, encapuzados
Vários disparos
E fazem como fez em Costa Barros

[Refrão: Rael]
Levando uma vida, flertando com a morte
Permanecer vivo é ter fé, não ter sorte
Eu sigo protegido pelos meus ancestrais
A morte o levou mas a história os faz eternos
Eu sigo protegido pelos meus ancestrais
A morte s levou mas a história os faz eternos

Compositor: Capicua, Rael

Letra enviada por Danielle Pereira

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Emicida no Vagalume.FM

ÚLTIMAS

MIX DE MÚSICAS

ARTISTAS RELACIONADOS