Substancia venenosa

Eduardo (Ex-Facção Central)


Sigo injetando na rima gás neurotóxico, contra os que encarceram 30 mil por ano em depósitos
Contra os que ensinam idioma pra adolescente, atender nos bordeis da Copa gringo o cliente
Não existe alegria com silhueta de corpo pintada no chão, em protesto ao padrão Fifa do boy em execução

Que depois de dar ré na porta de aço, faz a inclusão digital com Pcs furtados
Não precisei do Vox Populi pra ver que os de Pt, tem em comum ausência do nome do pai no Rg
Que explodem a Cherokee blindada do tesoureiro, porque o 13 de Maio só vigora com morteiro
Ainda nos treinam pra ser os escravos da casa, agradecidos por servir a Lagosta defumada
Ainda definhamos onde cirurgiões e ortopedistas, dão lugar a analistas de sangue e papiloscopistas
Verso feliz quando não tivermos no prédio invadido, admirando o teatro, o imóvel que pra nós é proibido
Quando a meta do vencedor da eleição, for inaugurar faculdade e não centros de correção

Refrão: Minha letra carregada com substância venenosa
é pelo fim da hecatombe diária praticada por Deic, Rota
Minha letra carregada com substância venenosa
é pelo fim da prisão em massa
dá indução à venda de droga

Se a alienação não impedisse ação com Fal e dinamite, Rio 16 seria 72 em Munique
A gente ia apresentar os Fulgencios Batistas, que geram chamas em consultórios de dentistas
Que todo dia reprisam a cena do pai desnorteado, falando com a alma do filho onde ele caiu baleado
Rezo pra criogenia dar errado, o rico não pode acordar depois de congelado
Não precisamos de quem oferece 300 pedras por semana, pra você agilizar a colheita da laranja
De quem te põem no leito crivado de perfurante, esperando mutirão de doador de sangue
Apoio os furas importados de Miami no colchão, se inserir ciência política na educação
To junto na importação do míssil de pequeno porte, se evitar o decreto das nossas penas de morte
Existe vida em outro planeta, só evitam o contato, temem acabar como o que a Dig deixa os rins paralisados


Se eu fosse descendente de um colonizador arrombado, tinha marca de cerveja e hipermercados

Refrão: Minha letra carregada com substância venenosa
é pelo fim da hecatombe diária praticada por Deic, Rota
Minha letra carregada com substância venenosa
é pelo fim da prisão em massa
dá indução à venda de droga

O que eu canto tá explícito nos livros, que custam 120 reais pela estratégia dos ricos
Quanto mais dígitos no preço da informação, menos revoltado mirando Uzi sob a luz da razão
Por isso atuo como pirata somali no hip hop, roubo dados sigilosos e injeto nos bairros pobres
Tento impedir que convençam você, com o xaveco dos 30 milhões que entraram na classe C
Mentem pra te converter no eleitor cativo, que vota em qualquer descerebrado apontado pelo partido
São tão cínicos quanto os chefes de polícia, que não divulgam o sequestro relâmpago das suas firmas
Alô mãe to aqui em tal quebrada, trás pros canas 500 conto e a tela de 50 polegadas

Pressiona o congresso pra alterar o código penal, para que crimes políticos recebam pena capital
Vértebras foram reduzidas a poeira no ar, pra que eu tivesse o direito de me manifestar
Se eu for o bobo alegrando a corte da playboyzada, traio os Black Panther, Che e sua causa
Ta no rap de atitude é igual tá na máfia, pra sair é só rígido num caixão de lata


Refrão: Minha letra carregada com substância venenosa
é pelo fim da hecatombe diária praticada por Deic, Rota
Minha letra carregada com substância venenosa
é pelo fim da prisão em massa
dá indução à venda de droga

Letra enviada por felpcnep

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Eduardo (Ex-Facção Central) no Vagalume.FM

MIX DE MÚSICAS