Edith Piaf

Les Roses Blanches (tradução)

Edith Piaf


As rosas brancas


Ele era um garoto, um menino de Paris, sua única família era sua mãe

A menina pobre, com grandes olhos murchos pela dor e miséria

Ela adorava flores, especialmente rosas, e do filho amado, no domingo

Ele trouxe belas rosas brancas, em vez de comprar brinquedos

abraçar carinhosamente, disse ele, dando-lhe


"Hoje é domingo, como minha linda mãe

Aqui estão as rosas brancas, que teu coração ama tanto

Vá quando eu crescer, eu compro na loja

Todas estas rosas brancas, para você muito mamãe "


Na primavera passada, o destino brutal atingiu a loira trabalhando

Ela ficou doente eo hospital, o menino viu sua mãe

Uma manhã de abril entre os caminhantes

Não ter uma no bolso

No mercado pobres pirralho, furtivamente roubou flores

florista tê-lo apanhado, abaixando a cabeça, disse ele


"Hoje é domingo e eu fui ver a mãe

Tirei as rosas brancas que ela ama com

Na sua pequena cama branca lá esperando por mim

Tirei essas rosas brancas para minha linda mãe "


O mercado mudou suavemente disse: "Leve-me dar-lhes

Ela beijou o filho e partiu, radiante que ele estava perdoado

Então o hospital, ele veio correndo para oferecer flores à sua mãe

Mas, vendo uma enfermeira, lhe disse: "Você tem uma mãe mais"

E o menino disse, ajoelhando-se em frente da pequena cama branca


"Hoje é domingo, como minha linda mãe

Aqui rosas brancas, que você tanto amava

E quando você vai, o grande jardim lá

Todas essas rosas brancas, você trazê-los "

Les Roses Blanches


C’était un gamin, un gosse de Paris, sa seule famille était sa mère

Une pauvre fille aux grands yeux flétris, par les chagrins et la misère

Elle aimait les fleurs, les roses surtout, et le cher bambin le dimanche

Lui apportait de belles roses blanches, au lieu d’acheter des joujoux

La câlinant bien tendrement, il disait en les lui donnant


“C’est aujourd’hui dimanche, tiens ma jolie maman

Voici des roses blanches, que ton coeur aime tant

Va quand je serai grand, j’achèterai au marchand

Toutes ces roses blanches, pour toi jolie maman”


Au dernier printemps, le destin brutal, vint frapper la blonde ouvrière

Elle tomba malade et pour l’hôpital, le gamin vit partir sa mère

Un matin d’avril parmi les promeneurs

N’ayant plus un sous dans sa poche

Sur un marché le pauvre mioche, furtivement vola des fleurs

La fleuriste l’ayant surpris, en baissant la tête, il lui dit


“C’est aujourd’hui dimanche et j’allais voir maman

J’ai pris ces roses blanches elle les aime tant

Sur son petit lit blanc, là-bas elle m’attend

J’ai pris ces roses blanches, pour ma jolie maman”


La marchande émue, doucement lui dit, “Emporte-les je te les donne”

Elle l’embrassa et l’enfant partit, tout rayonnant qu’on le pardonne

Puis à l’hôpital il vint en courant, pour offrir les fleurs à sa mère

Mais en le voyant, une infirmière, lui dit “Tu n’as plus de maman”

Et le gamin s’agenouillant dit, devant le petit lit blanc


“C’est aujourd’hui dimanche, tiens ma jolie maman

Voici des roses blanches, toi qui les aimais tant

Et quand tu t’en iras, au grand jardin là-bas

Toutes ces roses blanches, tu les emporteras”

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

ÚLTIMAS

ESTAÇÕES

ARTISTAS RELACIONADOS