Edith Piaf

La Petite Boutique (tradução)

Edith Piaf


The Little Shop


Eu sei que em uma área de deserto

Um canto que se dá ares

De província aristocrática

eu descobri mais uma temporada

Situado entre duas casas

A pequena loja

Um gato preto lindo estava esparramado

No limiar quando entrei

Ele olhou para mim com os olhos

Então ele olhou me viu

Para sussurrar: "Bem... Um client

Que coisa sensacional"


Esta loja de antiguidades

despertou minha curiosidade

por sua aparência ultrapassada

Um sino rachado ao som

Se começou a tilintar

No silêncio calmo e acolhedor

repente, que eu não sei de onde

Um homem de idade pouco com os olhos suaves

me fez uma grande salvação barroco

E eu tive a estranha sensação

Para viver um momento muito antiga. For

longe de nosso tempo


Eu esperava um livro antigo

cuja ligação Marrocos

Mantido cheiro salas fechadas

Quando eu não sei como

Comecei depois de um momento

A conversa sobre qualquer outra coisa

Mas o velho não sabia de nada

Que surpresa foi minha

Para que o homem

Não, obviamente, não sabia de nada

Fatos e eventos

Quem apaixonados outros homens


Ele não sabia nada sobre o tempo

Ambas as pessoas importantes

que os casos mais famosos

E pode ser isso

Quem neste canto quieto lá

criou esta atmosfera estranha

eu adquiri o livro empoeirado

E eu deixei coração feliz

O Gato Preto ainda impassível

Em uma pequena piscadela

Apareceu dizer, malicioso

"Você não acha isso possível! ... "


eu saí, e depois aqui

Minha história termina aí

Porque esta história tem

Nem queda nem moralidade

Mas quando estou muito afetada

Para a fofoca que está vendendo

Para o nojento escândalo

por processos revoltantes

política Sharks

Para melhor ficar longe deles

Vou passar uma ou duas horas

Nesta pequena loja

La Petite Boutique


Je sais dans un quartier désert

Un coin qui se donne des airs

De province aristocratique

J’y découvris l’autre saison

Encastrée entre deux maisons

Une minuscule boutique

Un beau chat noir était vautré

Sur le seuil quand je suis entrée

Il leva sur moi ses prunelles

Puis il eut l’air en me voyant

De se dire: “Tiens! Un client…

Quelle chose sensationnelle!”


Ce magasin d’antiquités

Excitait ma curiosité

Par sa désuète apparence

Une clochette au son fêlé

Se mit à tintinnabuler

Dans le calme et tiède silence

Soudain, sorti je ne sais d’où

Un petit vieillard aux yeux doux

Me fit un grand salut baroque

Et j’eus l’étrange sentiment

De vivre un très ancien moment

Fort éloigné de notre époque


Je marchandais un vieux bouquin

Dont la reliure en maroquin

Gardait l’odeur des chambres closes

Lorsque je ne sais trop comment

Je me mis au bout d’un moment

A parler de tout autre chose

Mais le vieux ne connaissait rien

Quel étonnement fut le mien

De constater que le bonhomme

Ne savait rien évidemment

Des faits et des événements

Qui passionnaient les autres hommes


Il ignorait tout de ce temps

Aussi bien les gens importants

Que les plus célèbres affaires

Et c’était peut-être cela

Qui, dans ce tranquille coin-là

Créait cette étrange atmosphère

J’acquis le bouquin poussiéreux

Et je partis le coeur heureux

Le chat noir toujours impassible

Dans un petit clignement d’yeux

Parut me dire, malicieux:

“Tu ne croyais pas ça possible!...”


Je m’en allai, et puis voilà

Mon anecdote finit là

Car cette histoire ne comprend

Ni chute, ni moralité

Mais quand je suis trop affectée

Par le potins que l’on colporte

Par les scandales dégoûtants

Par les procédés révoltants

Des requins de la politique

Afin de mieux m’éloigner d’eux

Je vais passer une heure ou deux

Dans cette petite boutique…

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

ÚLTIMAS

ESTAÇÕES

ARTISTAS RELACIONADOS