Linha Reta

Dino Franco e Mouraí

Modas De Viola Vol.2


Não quero ser malcriado
Não gosto de grosseria
Mas continuar calado
Eu acho que é covardia
Tem cantador por aí
Fazendo estripolia

Vou entrar no jogo bruto
Com esses caras fajutos
Que negam os estatutos
Da própria categoria

O poeta sertanejo
Com sua filosofia
Ele mostra a natureza
Através da poesia
Poeta fala de amor
E não de pornografia

Quem quer alcançar a meta
Deve andar em linha reta
Poeta que é poeta
Não escreve porcaria

Há um tipo de canção
Que já nasce em agonia
É como fogo de palha
Sucesso dura poucos dias
A moda sofisticada
Caboclo não aprecia

A canção tem que ser pura
Sem desvio e sem rasura
Sertanejo não mistura
Macarrão com melancia

Cada coisa em seu lugar
Cada santo tem seu dia
A casa sem alicerce
Não agüenta ventania
A música sem origem
É fraca, vulgar e fria

Ainda se vê bastante
Cantador ignorante
Esperando o elefante
No carreiro da cotia

Uma praga estrangeira
Em forma de melodia
Contagiou muitas duplas
De pouca sabedoria
Mas eu creio nos caboclos
Que tem a mente sadia

Neste verso derradeiro
Digo ao meu companheiro
Violeiro que é violeiro
Não canta desarmonia

(Pedro Paulo Mariano - Santa Maria da Serra-SP)

Compositor: Dino Franco e Nhô Chico

Letra enviada por

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Dino Franco e Mouraí no Vagalume.FM

MIX DE MÚSICAS

ARTISTAS RELACIONADOS