Página inicial > Sertanejo > D > Dino Franco e Mouraí > Barqueiro Solitário

Barqueiro Solitário

Dino Franco e Mouraí


Quando navego em meu bote de madeira
Nas correntezas do velho rio Ivinhema
Em suas praias eu avisto as lavadeiras
E entre elas uma linda flor morena

Batendo roupa ou areando panela
Essa donzela de feição meiga e serena
Não imagina a paixão deste barqueiro
Que atravessa o dia inteiro a pensar nessa pequena

É que a morena
Após a lida no rio se banha
E o sol da tarde beija seu corpo
Que mais parece um perfil de flor

E a garça branca
Mais que depressa pra longe voa
Talvez por ciúmes dessa cabocla
Que já é dona do meu amor

Ela me chama de barqueiro amoroso
E acenando seu lencinho perfumado
Brota em seu rosto um sorriso vergonhoso
Essa magia mais me deixa apaixonado

E junto dela numa rede de taboa
Não me enjoa ver dois seios sedutores
Me enlouqueço, quase morro de desejo
E assim então me vejo mais aflito em dissabores

É que a morena
Após a lida no rio se banha
E o sol da tarde beija seu corpo
Que mais parece um perfil de flor

E a garça branca
Mais que depressa pra longe voa
Talvez por ciúmes dessa cabocla
Que já é dona do meu amor

(Pedro Paulo Mariano - Santa Maria da Serra-SP)

Compositor: Dino Franco e Oswaldo de Andrade

Letra enviada por

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Dino Franco e Mouraí no Vagalume.FM

MIX DE MÚSICAS

ARTISTAS RELACIONADOS