Culpa, Mãe

Damas do Nada

Tributo ao Silêncio


Acordo com febre, mas estranhamente confortável
Há algo na saúde que me incomoda
Que me aleija por trás, e me afasta um nome
Pras drogas que me mantém sóbrio

Me dê a culpa, mãe

Eu existo em meu lugar

Ensaio novos gestos como num tributo ao silêncio
Propago velhos ritos ao regozijar o mar
A falta que faz a visão que mente
Entorpece o vazio e nada mais

Me dê a culpa, mãe
Em meu lugar eu existo
Culpa, mãe

Não ando em vão
Quando meus ritos conturbados e seus
corpos repousados se consomem em brasas
Por onde tudo um dia passa
Eu estou em casa

Letra enviada por Hélio Abreu

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Damas do Nada no Vagalume.FM

MIX DE MÚSICAS