Página inicial > Regional > C > Cristiano Quevedo > Dos Picumãs da Memória

Dos Picumãs da Memória

Cristiano Quevedo


Quando o silêncio me toma, amordaçando as perguntas
Me sinto adormecido, qual as cancelas das juntas
Então descubro que o tempo,o mais velhos dos tropeiros
Arrucinou meu destino nestes fogões estradeiros.

Por tropas e ruculutas, onde gastei as lonjuras
No lombo da esperança, sovei carinho e ternura
Quando os sonhos e verdades moravam pelos galpões
E se ocultavam segredos no bojo dos corações.

Então me paro, a pensar, bombeando tempos e distâncias
Nem os morcegos ficaram nas taperas das estâncias
Sou corredor sem coruja e guarda sem tajãs
Sou noite sem pirilampos e fogões sem picumã...

Nessa paisagem terrunha que o hoje deixou pra trás
Mergulharam nas canhadas, carquejas e pajonais
Qual um ponteiro charrua, levando a história mais franca
Sou um centauro fronteiro, de barba e melena branca.

Então me paro, a pensar, bombeando tempos e distâncias
Nem os morcegos ficaram nas taperas das estâncias
Sou corredor sem coruja e guarda sem tajãs
Sou noite sem pirilampos e fogões sem picumã...

Compositor: João Fontoura/zulmar Benitez

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Cristiano Quevedo no Vagalume.FM

MIX DE MÚSICAS

ARTISTAS RELACIONADOS