Vidas Divididas

Conrado e Aleksandro


Flores que sobem porteiras
levantam poeiras pra iluminar
fadas e sonhos perdidos tempos esquecidos no sertão de
cá.

Vivo sozinho sangrando mágoas que chorando consigo
esconder, num céu claro de alegrias mundos fantasias
guerras sem poder.

Ouço o suspiro na mata coração maltrata incerta paixão
e o alazão frente aberta sente a coberta do pasto na
mão, desde a sua partida segui minha vida amado por
ti, vento senti o coração e invadi o sertão onde eu te
conheci.

Eu laçei o boi fumaça depois da pirraça que ele me
fez, laço couro de novilha bateu na furquilha na
guampa da réis, canário canta sozinho, ficou doentinho
durmiu e morreu, pra mim cantar a tristeza e sentir a
nobreza que o Senhor me deu.

Mais espero a sua volta eu tenho a escolta de anjos do
bem, luas fadas e duendes escovas de dentes eu guardei
também, me cobre de beijo e cheiro, boiada e mangueira
sonhos de guri, cobre a terra de enxada e roça de Água
pro sonho seguir.

Hoje na porta eu vi seu sorriso entrando pra me
invadir, te joguei no chão da sala, caiu sua mala
chora o Colibrí, duas Vidas Divididas estradas
cumpridas que morrem aqui, Viola e Céu estrelado meu
amor do lado para me cobrir.

by: Jaum.

Compositor: Aleksandro

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Conrado e Aleksandro no Vagalume.FM

ÚLTIMAS

MIX DE MÚSICAS

ARTISTAS RELACIONADOS