Num Dia de Mormaço

Cesar Oliveira & Rogério Melo


Junto às barras do infinito mais um dia vem surgindo
O sol já nasce branindo com seu entono machaço
Vermelho que nem as brasas de um pai de fogo de aroeira
Templando o céu da fronteira com previsões de mormaço

O rodeio lá dos fundos tem bicheira e carrapato
E cedo entra para o mato quando o sol quente carrega
Mas hoje é dia de banho e o índio bueno e campeiro
Não deixa nenhum terneiro escondido nas macegas

A cachorrada da estância campeia água na sanga
E D. Ezíbio arremanga sua bombacha inté o joelho
Mete o cavalo, abre o peito ó o buraco bicho fraco
E o sol vindo mais um naco, vem sapecando parelho

E assim o rodeio emboca arrastando em meio a poeira
Uma zebua caborteira que vem pisoteando a cria
Berrando e cheirando a terra atropela na cuscada
Que vem latindo assolheada com o sol do meio dia

O calor que vem de baixo se mescla ao que vem do céu
Parece que um fogaréu vai levantar sobre as pedras
Queimando o couro do índio que pisa o chão da mangueira
Guasqueando a sina campeira que Deus lhe deu por ser quebra

E quando o mormaço brabo vai calmando ao despacito
A tardinha vem no grito de algum tajã do banhado
Que abre as asas pachola onde o céu se adelgaça
Medindo quase uma braça no horizonte encarnado

Coisa feia é mormaceira que aquebranta carne e osso
Castigando o índio grosso que sente um peso na estampa
Dá inté pena da alma que parece mais miúda
Quando a empreitada graúda mescla poeira, casco e guampa!

Compositor: Rogério Villagran / César Oliveira

Encontrou algum erro na letra? Por favor, envie uma correção >

Compartilhe
esta música

Ouça estações relacionadas a Cesar Oliveira & Rogério Melo no Vagalume.FM

MIX DE MÚSICAS

ARTISTAS RELACIONADOS